Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Feira do Livro oferece leituras a bons preços

quarta-feira, 01/05/2013, 11:54 - Atualizado em 01/05/2013, 12:21 - Autor:


É uma feira. E de feira, o morador de Belém deve conhecer, nem que seja teoricamente. Nesse sentido, para quem vê na Feira do Livro um momento oportuno para reabastecer a biblioteca pessoal, o ideal é passar ao largo de livrarias que oferecem os mesmos livros a preços iguais aos praticados fora do evento. A pergunta, nesse caso é: que sentido tem comprar aos mesmos preços?


Quase todos os estandes oferecem promoções. Livros com preços entre R$ 3 a R$ 10 estão por todos os lados. Basta ter espírito e paciência de garimpador. Valerá a pena.


Nesses valores, por exemplo, é possível encontrar pelo menos três grandes livros do jornalista Zuenir Ventura. A dobradinha ‘1968, O ano que não terminou’ e ‘1968, O que fizemos de nós’ está em várias livrarias, com preços baratinhos. Além desses, é possível adquirir ‘Minhas histórias dos outros’, também de Zuenir.


Carlos Heitor Cony é outro autor possível de se encontrar com livros a bom preço. ‘Romance sem palavras’ e ‘Pilatos’ estão disponíveis. Os preços não chegam a 15 reais. 


A biografia de Glauber Rocha, escrita por Nelson Motta, é outra das boas surpresas para quem se dispuser a procurar. Custando R$ 10, leitura agradável sobre um dos mais polêmicos cineastas brasileiros. Há outras boas biografias em promoção. A de Augusto Boal, histórico dramaturgo brasileiro é uma. ‘Jogo Duro’, uma alentada reportagem sobre os obscuros caminhos de João Havelange à frente da Fifa, é outro livro a ser olhado com carinho.


A revista ‘Believer’ é uma das mais importantes revistas literárias dos Estados Unidos. Pois o livro ‘Conversas entre escritores’ reúne 21 entrevistas com alguns dos principais autores atuais. De Paul Auster a Ian McEwan, por exemplo. É o chamado “biscoito fino”.


Assim como o interessante ‘Lendo Lolita em Teerã-uma memória nos livros’. A ideia é excelente. Mulheres iranianas lendo e discutindo clássicos da literatura internacional, como ‘Lolita’ e ‘Madame Bovary’. Mais que tudo, um livro que abre perspectivas sobre as mulheres que vivem em sociedades mais fechadas. O livro não chega a R$ 15.


O impressionante e esclarecedor ‘Basta!- Sensacionalismo e farsa na cobertura jornalística do assassinato de PC Farias’, de Joaquim de Carvalho, esmiúça os bastidores das reportagens a respeito de casos como o do ex-tesoureiro de Collor, mostrando o quanto a verdade fica comprometida quando o interesse pelo sensacionalismo se sobrepõe. O livro custa apenas R$ 3.


Um dos romances mais tocantes dos últimos anos foi ‘Um dia’, de David Nichols. A revista Cosmopolitan diz isso a respeito de ‘Onze’, de Mark Watson: ‘se você adorou Um Dia, de David Nichols, este livro é para você’. O romance, que custa só R$ 10, mostra os dramas cotidianos de um radialista assombrado pelo passado, uma faxineira, um produtor de rádio e outros personagens que são desafiados pelas escolhas aparentemente mais banais.

PRECINHOS CAMARADAS


Se nos últimos tempos, o cinema mostrou dois petardos sobre a velhice, com os filmes ‘Amor’ e ‘E se vivêssemos todos juntos’, a literatura não fica tão atrás. ‘Me conte a sua história’, em dois volumes é um apanhado de depoimentos feitos com pessoas velhas. Emociona por desfilar histórias reais de gente que viveu muito, que tem um passado a contar. Custa R$ 5.


‘Minha fama de mau’, a autobiografia de Erasmo Carlos, cantor redescoberto pela nova geração, custa apenas R$ 10. É uma boa pedida para quem quer saber um pouco mais a respeito de um dos principais artistas brasileiros.


O cativante ‘Noite passada um disco salvou minha vida’, com depoimentos de artistas sobre o disco que marcou as próprias vidas, também custa R$ 10. 


São possibilidades abertas para quem vai à Feira do Livro em busca de algo a mais que os bate-papos com escritores ou outras atrações que um evento desse porte traz. Para quem quer bons livros a preços bons, é hora de ir à feira.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS