Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$
EXPECTATIVA

Vendas para o Círio começam a crescer no comércio de Belém

Nas feiras e lojas de produtos relativos ao Círio, a procura por itens como os ingredientes do almoço já está bem maior e a expectativa é que aumente com a proximidade da festividade

terça-feira, 29/09/2020, 09:38 - Atualizado em 29/09/2020, 09:41 - Autor: Alexandra Cavalcanti


A vendedora Ângela Fonseca, diz que a procura por artigos religiosos tem aumentado.
A vendedora Ângela Fonseca, diz que a procura por artigos religiosos tem aumentado. | Wagner Almeida

A proximidade do Círio de Nossa Senhora de Nazaré tem levado muitos consumidores às feiras de Belém em busca dos ingredientes para o tradicional almoço do dia. A procura por produtos relacionados a maior festa religiosa dos paraenses como imagens, enfeites e camisetas também têm levado muitos devotos às compras.

Na feira do Ver-o-Peso, a agitação nas barracas que comercializam tucupi, pato e ingredientes para maniçoba ainda não pode ser comparada a movimentação registrada no mesmo período no ano passado, mas, segundo os feirantes já dá sinais de melhora. “Acredito que na semana que antecede o Círio as vendas devem aumentar bastante porque mesmo sem a procissão (cancelada por conta da pandemia), as pessoas vão investir no almoço para reunir a família”, opinou Maria do Socorro Magno, que há 35 anos vende ingredientes que vão no preparo da maniçoba, um dos principais pratos do cardápio do almoço do Círio.

Maria do Socorro Magno
Maria do Socorro Magno Wagner Almeida
 

A comerciante Isaura Silva resolveu se antecipar e já começar a comprar os ingredientes da maniçoba que prepara todos os anos. “Estou fazendo primeiro uma pesquisa nos preços e conforme for já vou levar algumas coisas”, disse.

Dinair Barros
Dinair Barros Wagner Almeida
 

Dinair Barros comercializa maniva há mais de três décadas na feira do Ver-o-Peso e diz estar confiante com as vendas do produto. “Acredito que as pessoas não vão deixar de fazer o almoço para reunir a família, isso já é uma tradição e com certeza será mantida”, afirma. A procura pela maniva que ela vende crua, pré-cozida e cozida já melhorou bastante esta semana. “Mas tenho certeza que na próxima será ainda melhor”.

Para o aposentado João Monteiro, a maniçoba não pode faltar no almoço do Círio, mesmo sem as procissões. “Como bom paraense é preciso manter essa tradição”, ressaltou. Por esse motivo, ele resolveu garantir logo a compra da maniva e não reclamou do preço. “Quando o produto é bom e de qualidade, vale a pena pagar”, completou ele, que levou cerca de cinco quilos de maniva pré-cozida, por R$ 5 o quilo, para garantir o almoço em família.

Edivaldo Moreira
Edivaldo Moreira Wagner Almeida
 

A vendedora de tucupi Josiane Souza acredita que as vendas, mesmo dos ingredientes para o almoço do Círio, sofrerão um impacto causado pelo cancelamento das procissões. “As vendas não estão 100%, acredito que devam melhorar na próxima semana, mas não será igual ao ano passado. Já o vendedor de pato Edivaldo Moreira está confiante. “Vendo o ano inteiro, mas quando chega perto do Círio, elas ficam melhores”, destacou ele, que está comercializando o pato grande vivo a R$ 80, a unidade e a pata viva a partir de R$ 30.

CENTRO COMERCIAL

Pelas ruas do Centro Comercial de Belém muitas lojas já estão disponibilizando os mais variados artigos para celebrar o Círio de Nazaré. Já os compradores estão aparecendo aos poucos.

Ângela Fonseca é vendedora em um desses estabelecimentos e diz que a procura tem melhorado, mas apesar disso, o movimento ainda está bem inferior em relação ao ano passado. “Calculo uma queda de pelo menos 30% em comparação a 2019”, avalia.

Para atrair clientes a loja que produz e comercializa seus produtos tem investido em lançamentos. “Aqui é possível encontrar de tudo para enfeitar a casa no Círio ou até mesmo produzir seus próprios enfeites. Por isso, sempre queremos mostrar novidades como a flâmula que pode substituir os cartazes de Nossa Senhora que costumam ser pendurados nas portas das casas essa época do ano”.

Para ela, mesmo sem as procissões os devotos vão manter a tradição de arrumar a casa para receber os parentes e amigos. “Vai ser um Círio diferente, mas acredito que muita coisa será mantida.

Silvio Rodrigues
Silvio Rodrigues Wagner Almeida
 

Silvio Rodrigues trabalha há mais de 20 anos vendendo produtos do Círio e artigos religiosos em geral em uma barraca no Centro Comercial de Belém. Este ano, com uma expectativa de vendas ainda baixa ele colocou em exposição apenas as camisetas. “Mas próximo da festividade, quando acredito que as vendas realmente vão aumentar, vou colocando os outros produtos. Por enquanto, estamos só com as camisetas para atrair os clientes”.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS