Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$
TRADIÇÃO

“Asas de Crepom” aborda uma das tradições mais antigas do Círio

terça-feira, 08/10/2019, 09:20 - Atualizado em 08/10/2019, 09:20 - Autor: Aline Rodrigues


Retrato de Alcantarino Queiroz, feito na década de 1930, por autor desconhecido, e pertence à acervo de família do curado Nando Lima, que incorporou a imagem à exposição.
Retrato de Alcantarino Queiroz, feito na década de 1930, por autor desconhecido, e pertence à acervo de família do curado Nando Lima, que incorporou a imagem à exposição. | Acervo de Família

Inspirada no “Carro dos Anjos”, uma das alegorias mais tradicionais do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, abre hoje, às 19h, na Galeria Fidanza, do Museu de Arte Sacra, a exposição coletiva “Asas de Crepom”.

A exposição faz parte da programação do Círio da Secretária de Estado de Cultura (Secult) e reúne imagens fotográficas, instalações visuais e imaginárias sacras pertencentes ao acervo do Sistema Integrado de Museus (SIM).

Obras dos fotógrafos Abdias Pinheiro, Cláudia Leão, Dilermando Cabral, Flavya Mutran, Geraldo Ramos, Guy Veloso, Marco Santos, Paulo Amorim e Ronaldo Lopes integram a mostra. Já as instalações visuais são de autoria de Emanuel Franco e Nando Lima. “São constituídas de réplicas de vestimentas de asinhas de crepom. Algumas mandamos produzir por costureiras daqui e algumas são do acervo do Museu do Círio. A outra parte da exposição são imagens fotográficas do acervo do Sistema Integrado”, adianta Emanuel Franco, diretor do MAS e curador da mostra.

“Asas de Crepom” conta ainda com imagens sacras barrocas de anjos do século 17 e 18, também do acervo do SIM, e um desenho alusivo ao carro dos anjos, feito pelo artista visual Raimundo Calandrino. “A mostra é muito interativa, as crianças poderão fotografar com as vestes, vamos mostrar o carrinho dos anjos para compor o espaço”, conta Emanuel.

Há dois meses planejando e fazendo a curadoria da exposição, dividindo a missão com Nando Lima, Emanuel conta que para executar o trabalho é preciso, primeiro, ter um olhar daquilo que se quer constituir, a chamada ideia curatorial. Depois de definida a narrativa, é preciso correr atrás dos elementos que vão constituir essa ideia. “São garimpagens de olhar para fazer a composição da mostra, aí vai se tendo um diálogo entre os elementos diante dessa temática. Uma tarefa extremamente séria, um planejamento bem elaborado para que não tenha erro”, conta.

HISTÓRIA

O Carro dos Anjos integra a procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazaré desde a segunda metade do século 19, com a denominação primeira de Carro do Anjo Custódio (Anjo da Guarda). O símbolo teria sido incorporado ao cortejo por conta do pagamento de uma promessa do vice-governador da Província, Ângelo Custódio, como uma espécie de voto pela cura de sua filha que estava doente. Nos dias atuais, as crianças vestidas de anjos no Carro dos Anjos pagam as “promessas por procuração”. Ou seja, seguem pagando um voto que foi feito pelos pais ou outras pessoas num momento de apelo e devoção à Virgem de Nazaré.

Serviço:

Exposição “Asas de Crepom”

Abertura: Hoje, às 19h

Visitação: Até 17 de novembro

Onde: Galeria Fidanza /Museu de Arte Sacra (Praça Frei Caetano Brandão - Cidade Velha)

Quanto: Entrada gratuita

Divulgação
 


Retrato de Alcantarino Queiroz, feito na década de 1930, por autor desconhecido, e pertence à acervo de família do curado Nando Lima, que incorporou a imagem à exposição.
Retrato de Alcantarino Queiroz, feito na década de 1930, por autor desconhecido, e pertence à acervo de família do curado Nando Lima, que incorporou a imagem à exposição. | Acervo de Família
Retrato de Alcantarino Queiroz, feito na década de 1930, por autor desconhecido, e pertence à acervo de família do curado Nando Lima, que incorporou a imagem à exposição. | Acervo de Família

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS