Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


25°
R$

Notícias / Notícias Brasil

Notícias Brasil

Médico que agrediu grávida em trabalho de parto deve ser afastado

quarta-feira, 20/02/2019, 15:15 - Atualizado em 20/02/2019, 17:11 - Autor:


O médico obstetra Armando Andrade Araújo, que foi flagrado agredindo uma paciente grávida no momento do parto, deverá ser afastado se suas funções. O caso aconteceu na maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus (AM), em 2018, porém só agora ganhou repercussão. 


A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) disse que não está de acordo com a conduta praticada pelo médico e afirma que irá solicitar à direção do Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), empresa ao qual o profissional é cooperado, o seu afastamento. Além de pedir providências ao Conselho Regional de Medicina (CRM). 


Ao portal BOL, o Conselho Regional de Medicina do Estado do Amazonas (Cremam) informou que abriu uma Sindicância 'ex officio' (por iniciativa do juiz ou da autoridade administrativa, isto é, sem a necessidade de pedido pela parte interessada; no caso, a paciente) para investigar o ocorrido. Além de que, se houver alguma infração ao Código de Ética Médica, será aberto um Processo Ético Profissional. O Cremam também investiga a situação da mãe e da criança, por enquanto desconhecidas pelas autoridades.


Na tarde desta quarta-feira (20), o Cremam publicou uma nota em seu Facebook, explicando que todas as denúncias contra ato médico são apuradas pelo conselho.



Internautas comentaram na postagem e pediram providências. " Enquanto os fatos são apurados, para preservar futuras agressões e violência à gestantes por parte deste médico, Armando Andrade, exigimos afastamento preventivo de suas funções. Ou vocês vão esperar ele matar alguém?", "Queremos acompanhar o caso, estamos cansados de injustiça", "Não é essa nota que queremos, queremos punição no caso do "obstetra" que agrediu a mulher no trabalho de parto. Queremos respeito! #justiça", "A garota foi extremamente maltratada e tá nítido, NÃO TEM O QUE APURAR! É cadeia nele e indenização a gestante pelo constrangimento e humilhação no momento que ela estava mais vulnerável e que mais precisava de cuidados. Não é porque é público que deve ser tratada de qualquer maneira. Pagamos nossos impostos pra ter um atendimento público de qualidade!". 


Apesar da gravidade do caso, a Susam informou que não há qualquer registro de denúncia na maternidade ou na Ouvidoria à época.


O caso


Nas imagens que circulam nas redes sociais, é possível ver a mulher deitada, em posição para ter o filho, aparentemente exausta. O médico pede que ela "desça ainda mais”. Ela reclama de cãibra na perna, chora de dor e pede ajuda. Uma enfermeira se aproxima para fazer massagem na perna da grávida e, nesse momento, a acompanhante da grávida aparece dizendo que a ela não tem condições de fazer parto normal e pede que o médico a leve para o centro cirúrgico.


"Por favor, doutor, estou lhe pedindo, estou lhe implorando, por favor. Ela não tem condições, por favor, doutor. Salva a vida dela e do bebê", diz a acompanhante. O médico se nega e a mulher diz que vai chamar a imprensa. "Pode chamar quem for. Eles vão ver que ela não ajuda", diz o obstetra.


"Ela está em trabalho o dia todo, doutor", completa a acompanhante. E ele responde: "Pode chamar!". Nesse momento, o médico bate nas virilhas da grávida, com as duas mãos espalmadas. E ela grita de dor.


A parturiente chora e diz: "Ele me bateu". Um outro profissional se aproxima e aparentemente checa a dilatação da mulher.


Médico foi inocentado em outro crime


O médico Armando Araújo e mais dois médicos chegaram a ser presos pela Polícia Civil, durante a operação Jaleco, em 2015, suspeitos de cobrarem para fazer partos em hospitais públicos de Manaus. Armando Araújo foi inocentado na justiça. 


(DOL com informações do BOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS