Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


25°
R$

Notícias / Notícias Brasil

Notícias Brasil

Motorista de aplicativo é preso por estuprar passageira e anotar rede social no corpo dela

terça-feira, 15/01/2019, 15:08 - Atualizado em 15/01/2019, 15:10 - Autor:



Um motorista de aplicativo de transportes, de 41 anos, foi detido suspeito de ter estuprado uma passageira e anotar a rede social dele no corpo da jovem de 22 anos. O caso ocorreu na última sexta-feira (11), na cidade de Goiânia, em Goiás, e, segundo a Polícia Civil, a vítima estava alcoolizada e não teve chance de reação.

Segundo a delegada Ana Elisa Gomes, a vítima estava em uma reunião com amigos e, quando quis ir embora, uma conhecida dela chamou um motorista por um aplicativo de trânsito. Ana Elisa disse que a jovem se lembra “apenas de flashs”, como, por exemplo, “do motorista vestindo a roupa e mandando ela descer do carro da casa dela”.

De acordo com as investigações preliminares, o condutor manteve a garota dentro do carro por três horas, sendo que o percurso calculado pelo aplicativo seria de 15 minutos. Ela foi deixada em casa por volta das 4h15. Um dos detalhes mais absurdos do caso é que o motorista anotou o Instagram dele na canela da vítima, usando uma caneta.

A jovem fez exame no Instituto Médico Legal, no qual foi constatado o estupro. O criminoso foi detido no sábado (12) e ficou em silêncio durante o depoimento. Ele irá responder por estupro de vulnerável, já que a vítima estava alcoolizada e não tinha chances de reação.

O motorista já tinha passagens pela polícia por contrabando e homicídio culposo no trânsito.

Por meio de nota, a empresa Uber lamentou o crime em nota divulgada por sua assessoria e revelou que o motorista foi banido do aplicativo.

“A Uber repudia qualquer tipo de comportamento abusivo contra mulheres e acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos de assédio e violência”, escreveu. A empresa se encontra à disposição para colaborar com as autoridades no curso da investigação ou de processos judiciais.

(Com informações do portal Metrópoles)



 




 

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS