Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


29°
R$

Notícias / Notícias Brasil

Notícias Brasil

Bolsonaro diz que 'não dá para falar em mais ricos' e não planeja taxar grandes fortunas

terça-feira, 16/10/2018, 21:01 - Atualizado em 17/10/2018, 00:52 - Autor:


O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta terça-feira (16) que não é possível falar em mais ricos no Brasil, já que todos estão enfrentando dificuldades financeiras, e indicou que não pretende taxar grandes fortunas.



"Acho que no Brasil você não pode falar em mais ricos. Está todo mundo sufocado. Se aumentar a carga tributária para os mais ricos, como aconteceu na França no governo anterior e o capital foi para a Rússia, o capital vai fugir daqui. A carga tributária é enorme. Quase tudo é progressivo no Brasil", disse o deputado em entrevista ao SBT.



Também nesta terça (16), Fernando Haddad (PT) negou que vá abrir mão de taxar as grandes fortunas, como consta de seu plano de governo. Reportagem da Folha de S.Paulo mostrou que essa era uma das flexibilizações admitidas pelos petistas para tentar ampliar seu arco de apoio.



Bolsonaro ainda complementou seu aceno ao mercado ao repetir que vai "facilitar a vida de quem produz" e "tirar o Estado do cangote de quem dá emprego". Disse também que será mantida a autonomia do Banco Central, sem interferência política, com a continuidade do tripé econômico (meta de inflação, metas fiscais e câmbio flutuante).



Por outro lado, voltou a se mostrar reticente em alguns momentos ao falar em privatizações. Disse que "a depender do país para o qual se vende o bem, você continua estatizando". A referência de Bolsonaro no caso é a China, que ele tem dito que está "comprando o Brasil".



Nesta entrevista, admitiu fazer modificações na Previdência dos militares, mas mantendo privilégios.



"A Previdência dos militares é diferente da dos outros. Não temos hora extra, fundo de garantia, direito à greve. Ao longo de 30 anos de carreira o militar trabalha, na verdade, 45. Você pode propor alguma mudança, sim. Só que você não pode igualar aos demais com direitos trabalhistas diferentes", afirmou.



(Folhapress)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS