Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$
IMUNIZADA

Mãe de Bolsonaro recebe a segunda dose da vacina contra a Covid-19

O presidente nega que a mãe foi imunizada com a Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac

segunda-feira, 08/03/2021, 13:50 - Atualizado em 08/03/2021, 13:50 - Autor: Diario Online


Imagem ilustrativa da notícia Mãe de Bolsonaro recebe a segunda dose da vacina contra a Covid-19
| Reprodução

Olinda Bunturi Bolsonaro, 93 anos, recebeu a segunda dose da CoronaVac, vacina contra a Covid-19, nesta segunda-feira (8), na casa dela, em Eldorado, interior de São Paulo. As informações foram confirmadas pela prefeitura.

A mãe do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu a primeira dose da vacina no dia 12 de fevereiro, de acordo com cartão de vacinação da idosa. Após 24 dias, ela recebeu a segunda dose do imunizante, por volta das 10h30.

Além de Olinda, a cuidadora dela, Maria José Fermino, de 61 anos, também foi vacinada nesta hoje. Ela foi levada à Unidade Básica de Saúde (UBS) do município e recebeu a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca. A previsão é que ela receba a segunda dose no dia 8 de junho.

A CoronaVac é produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista. O Programa Estadual de Imunizações recomenda que o intervalo entre a 1ª e a 2ª dose seja de 28 dias (4 semanas) no caso da Coronavac. Já da vacina Oxford/AstraZeneca o intervalo é de 90 dias entre a 1ª e 2ª dose.

Cartão de vacinação

No dia 18 de fevereiro, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Jair Bolsonaro apresentou o cartão de imunização da mãe, Olinda, afirmando que ela teria sido imunizada pela vacina de Oxford, fornecida pela Fiocruz.

De acordo com o presidente apesar de constar que sua mãe recebeu a dose de CoronaVac, a informação seria falsa. Na live, Bolsonaro afirma que duas horas depois de aplicar a vacina em sua mãe, o enfermeiro voltou à residência dela, rasgou o comprovante que constava que a vacina seria a de Oxford e entregou outro, que indicava o Instituto Butantan como fabricante.

Porém, segundo informações do cartão de vacinação de Olinda, o número do comprovante da dose aplicada corresponde a um lote compatível com o imunizante do Instituto Butantan, vindo de São Paulo.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS