Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

REPRESENTAÇÃO

Dinheiro público bancou toneladas de picanha e milhares de cervejas para militares

Os parlamentares que assinaram a representação indicam um sobrepreço de até 60% do preço de itens adquiridos pelas Forças Armadas

quarta-feira, 10/02/2021, 18:49 - Atualizado em 10/02/2021, 18:49 - Autor: Com informações do Congresso em Foco


Segundo o levantamento, o Comando do Exército comprou 569,2 toneladas picanha.
Segundo o levantamento, o Comando do Exército comprou 569,2 toneladas picanha. | Divulgação/FAB

Após a grande repercussão dos gastos do governo de Jair Bolsonaro com leite condensado, os gastos com picanha e cerveja para militares foram alvos de uma representação na Procuradoria Geral da República (PGR). O documento foi endereçado ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

Bolsonaro fala sobre ' leite condensado' e ataca:  "é pra enfiar no 'rabo' da imprensa"

Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões em leite condensado em 2020

De acordo com informações do Congresso em Foco, foram gastos mais de 700 toneladas de picanha e 80 mil cervejas para militares. Com isso, deputados protocolaram a representação, considerando o uso de recursos com ostentação e superfaturamento" por parte das Forças Armadas. Os parlamentares indicam, ainda, sobrepreço de até 60% do preço de itens adquiridos pelas Forças Armadas.

A denúncia foi assinada pelos deputados Elias Vaz (PSB-GO), Alessandro Molon (PSB-RJ), Denis Bezerra (PSB-CE), Lídice da Mata (PSB-BA), Camilo Capiberibe (PSB-AP),  Bira do Pindaré (PSB-MA) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG), que verificaram que  a maioria dos processos de compras desses produtos seguiu o procedimento da licitação. “A Administração Pública, portanto, teve a coragem de mover a estrutura federal para conduzir certames com o objetivo de comprar grande quantidade de cerveja", argumentaram.

O Congresso em Foco detalhou, ainda, que, segundo o levantamento, o Comando do Exército comprou 569,2 toneladas picanha. Já a Marinha adquiriu 88 toneladas. No total, 76 processos licitatórios garantiram a compra de 714 toneladas do carne, chegando a pagar R$ 84,14 no quilo.

O Congresso em Foco buscou a Marinha e o Exército para que expusessem suas razões relativas aos gastos, mas ainda não recebeu uma resposta.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS