Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$
DESGASTE NO PLANALTO

Bolsonaro exclui Mourão de reunião com todos os ministros do Governo

Presidente avisou do encontro de maneira individual para não convocar uma reunião do conselho de governo e não precisar convidar Mourão

terça-feira, 09/02/2021, 15:17 - Atualizado em 09/02/2021, 15:30 - Autor: FOLHAPRESS


Em mais um episódio de desgaste, o presidente Jair Bolsonaro promoveu nesta terça-feira (9) uma reunião ministerial no Palácio do Planalto sem a presença do vice-presidente, o general Hamilton Mourão.

Lewandowski retira sigilo de conversas da Lava Jato e dá acesso à defesa de Lula

STF deve validar dados de mensagens que pode anular sentença de Lula

O encontro, que não foi incluído inicialmente na agenda oficial da Presidência, reuniu 22 dos 23 ministros do governo. O único ausente foi o titular das Comunicações, Fábio Faria, que está em agenda no exterior.

Segundo assessores palacianos, Bolsonaro avisou do encontro de maneira individual a cada uma das pastas, evitando assim convocar uma reunião do conselho de governo, justamente para não precisar convidar Mourão.

O vice-presidente faz parte do colegiado consultivo e costuma participar dos encontros. Recentemente, ele ficou ausente quando estava em recuperação após ter sido contaminado pelo coronavírus.

Além da desconfiança que Bolsonaro tem de Mourão, o presidente já disse acreditar a integrantes da equipe ministerial que o militar vaza para a imprensa informações discutidas durante esses encontros.

Procurado, o vice-presidente confirmou que não foi convidado para a reunião e disse que Bolsonaro deve ter julgado "desnecessária" a presença dele.

"Não fui convidado, não foi chamado. Então, acredito que o presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso. Não estou incomodado, não", disse.

Um dia antes, em entrevista à TV Bandeirantes, Bolsonaro foi questionado sobre a relação com o vice-presidente. De maneira lacônica, ele disse que "está tudo bem" com Mourão e comparou o seu relacionamento com o general ao de um genro com sua sogra.

"Tá tudo bem. Teve um evento aqui embaixo, trocamos sorrisos. E tá tudo bem, tá tudo bem com Mourão aí. Afinal de contas, o vice é igual sogra. É para a vida toda", disse o presidente.

Desde o ano passado, Bolsonaro tem tratado Mourão como um adversário de seu governo. O presidente evita consultar o militar sobre questões estratégicas, raramente o recebe para um audiência particular e desautoriza de forma indireta declarações públicas.

Como o jornal Folha de S.Paulo mostrou em outubro, Bolsonaro não pretende disputar a reeleição em 2022 com o general da reserva como o seu candidato a vice-presidente. A intenção foi verbalizada pelo presidente a três aliados, que relataram à reportagem o conteúdo das conversas reservadas com Bolsonaro.

Segundo eles, o presidente disse que deseja escolher outro nome para a sua chapa eleitoral e ressaltou que não conseguiu estabelecer uma relação de completa confiança com o militar.

Nas palavras de um dos aliados, Bolsonaro afirmou que é preciso encontrar uma solução para o posto de vice-presidente e acrescentou que Mourão de novo "não dá", segundo os relatos.

Nas três conversas, Bolsonaro lembrou que o general da reserva foi escolhido em 2018 devido a uma dificuldade, na época, em encontrar um nome para sua chapa eleitoral.

A intenção do presidente de escolher outro nome para a chapa eleitoral de 2022 já foi informada a integrantes das Forças Armadas, que passaram a avaliar uma espécie de saída honrosa para o general.

Eles defendem que o militar, que acumulou capital político no cargo, siga na vida pública e dispute, em 2022, um mandato de senador no Rio Grande do Sul, onde o general chefiou o Comando Militar do Sul.

Para militares do governo, uma candidatura de Mourão no Rio Grande do Sul poderia até mesmo, se bem articulada, ter o apoio de Bolsonaro, que contaria com um palanque forte em um importante colégio eleitoral do país.

Na reunião ministerial desta terça-feira, segundo relatos de presentes, Bolsonaro buscou tranquilizar os auxiliares presidenciais e disse que não pretende realizar uma ampla reforma ministerial.

Ele informou que o ministro Onyx Lorenzoni será transferido da Cidadania para a Secretaria-Geral. E disse que o plano é manter os ministros Tereza Cristina (Agricultura), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Eduardo Pazuello (Saúde) em suas respectivas pastas.

O presidente também manifestou otimismo após as eleições de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-RJ) para os comandos da Câmara e do Senado, respectivamente. E afirmou que o bloco do dos partidos do chamado centrão não tem exigido cargos de primeiro e segundo escalões.

Apesar da negativa do presidente, o Palácio do Planalto tem discutido abrir mais espaço no governo para o grupo partidário, o que inclui o comando da Cidadania. A pasta deve ser comandada por um deputado federal do Republicanos. O nome indicado pela sigla foi o de João Roma (BA).

No encontro, Pazuello atualizou a equipe ministerial sobre as negociações para a importação de mais doses de vacina contra o coronavírus. Segundo ele, o ritmo de vacinação no país está mais célere do que o de outros países do G-20.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS