Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

SUSPENSÃO

Má notícia: vacina da AstraZeneca não funciona bem contra a variante da covid-19

A descoberta foi um golpe devastador para os esforços do governo sul-africano para combater a pandemia. As descobertas foram um golpe devastador para os esforços do país para combater a pandemia .

terça-feira, 09/02/2021, 10:06 - Atualizado em 09/02/2021, 10:23 - Autor: Com informações do The New York Times


A descoberta ocorreu quase uma semana após um milhão de doses da vacina AstraZeneca-Oxford chegarem à África do Sul, onde mais de 46.000 pessoas já morreram do vírus.
A descoberta ocorreu quase uma semana após um milhão de doses da vacina AstraZeneca-Oxford chegarem à África do Sul, onde mais de 46.000 pessoas já morreram do vírus. | Reprodução

O uso da vacina de Oxford-AstraZeneca foi suspenso no último domingo (7), na África do Sul, depois que surgiram evidências de que o imunizante não protegia os voluntários do ensaio clínico de doenças leves ou moderadas causadas pela variante da covid-19, mais contagiosa que foi vista pela primeira vez lá. As informações são do The New York Times. 

A descoberta ocorreu quase uma semana após um milhão de doses da vacina AstraZeneca-Oxford chegarem à África do Sul, onde mais de 46.000 pessoas já morreram do vírus.

Segundo cientistas da região, a imunidade que os pacientes adquiriram naturalmente não pareceu protegê-los de casos leves ou moderados quando foram reinfectados pela variante, conhecida como B.1.351, que se espalhou para pelo menos 32 países, incluindo os Estados Unidos.

Pará é o Estado que menos recebeu vacinas do Governo Federal

Novas doses da Coronavac começam a ser entregues aos Centros Regionais de Saúde do Pará 

O número de casos avaliados como parte dos estudos, no entanto, foi baixo, tornando difícil determinar a real eficácia da vacina contra a variante. Os participantes do ensaio clínico que foram avaliados eram relativamente jovens e não tinham probabilidade de ficar gravemente doentes, sendo impossível para os cientistas determinar se a variante interferia na capacidade da vacina AstraZeneca-Oxford de proteger contra Covid-19 grave, hospitalizações ou mortes.

Os cientistas acreditam que a vacina pode proteger contra casos mais graves, com base nas respostas imunológicas detectadas em amostras de sangue das pessoas que a receberam. Eles disseram ainda, que se novos estudos mostrarem que esse é o caso, as autoridades de saúde sul-africanas devem considerar a retomada do uso da vacina AstraZeneca-Oxford.

As novas descobertas da pesquisa não foram publicadas em uma revista científica. Mas, indica que as vacinas atuais seriam menos eficazes.

Segunda dose das vacinas contra a covid-19 começa amanhã em Belém 

A Pfizer e a Moderna afirmaram que estudos laboratoriais preliminares indicam que suas vacinas, embora protetoras, são menos eficazes contra o B.1.351. A Novavax e a Johnson & Johnson também sequenciaram amostras de teste de seus participantes de ensaios clínicos na África do Sul, onde B.1.351 causou a grande maioria dos casos, e ambos relataram menor eficácia lá do que nos Estados Unidos.

Pesquisadores da Universidade de Oxford reconheceram que a vacina forneceu “proteção mínima” contra casos leves ou moderados envolvendo a variante B.1.351. Eles dizem estar trabalhando para produzir uma nova versão da vacina que pode proteger contra as mutações mais perigosas da variante B.1.351. A expectativa é que a vacina esteja pronta até o outono.

Moderna também começou a desenvolver uma nova forma de sua vacina que poderia ser usada como uma injeção de reforço contra a variante na África do Sul.

Novavax disse que sua vacina foi pouco menos de 50 por cento eficaz na prevenção de Covid-19 em seu teste na África do Sul. A Johnson & Johnson relatou que sua vacina de dose única foi 57% eficaz na prevenção de Covid-19 moderada a grave na África do Sul, embora ainda oferecesse proteção completa contra hospitalização e morte após quatro semanas.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS