Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

PARALISAÇÃO

Caminhoneiros anunciam greve por tempo indeterminado e dizem: 'vai ser pior do que em 2018'

A categoria reivindica melhores condições de trabalho, protesta contra o aumento do preço do combustível e cobra direito a aposentadoria especial

domingo, 31/01/2021, 14:19 - Atualizado em 31/01/2021, 18:29 - Autor: Com informações UOL


| Reprodução

Os caminhoneiros anunciam uma nova paralisação, agora, por tempo indeterminado, começando a partir desta segunda-feira (1º). A categoria reivindica melhores condições de trabalho, protesta contra o aumento do preço do combustível e cobra direito a aposentadoria especial, entre outros.

A decisão foi tomada no dia 15 de dezembro do ano passado, em assembleia geral extraordinária do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC). O conselho reúne 40 mil caminhoneiros em São Paulo e em outros estados. Mas, ainda não se sabe que tamanho terá a mobilização.

Em 2018, no governo do ex-presidente Michel Temer, os caminhoneiros realizaram uma paralisação que durou dez dias, afetando gravemente o sistema de distribuição em todo o país. Dessa vez, segundo Plínio Dias, presidente do CNTRC, a situação será bem "pior" do que naquele ano. 


Essa semana, o presidente Bolsonaro fez um apelo aos motoristas para que adiassem a greve. Segundo ele, o governo estuda alternativas para reduzir o PIS/Cofins e, por consequência, o preço do combustível. Bolsonaro ressaltou que a saída, no entanto, não será fácil.

Plínio Dias estima que até 80% dos caminhoneiros poderão aderir à mobilização, que também recebe o apoio da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

Segundo Plínio, a orientação é que as pistas não sejam totalmente interditadas e que ônibus, caminhões com insumos hospitalares e os com carga viva tenham livre passagem. 

Entre as pautas, está o posicionamento contra o projeto de Lei da BR do Mar, que, segundo, a categoria, afeta diretamente políticas públicas conquistadas pelo setor de transporte autônomo rodoviário de cargas, em detrimento de empresas estrangeiras.


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS