Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

APOSTA DO GOVERNO

Fabricante volta atrás e afirma que Índia exportará vacina de Oxford

Instituto Serum e laboratório Bharat Biotech divulgaram um comunicado oficial nesta terça-feira

terça-feira, 05/01/2021, 11:14 - Atualizado em 05/01/2021, 11:14 - Autor: Com informações do Estadão Conteúdo


A vacina AstraZeneca/Oxford contra a Covid-19 é a grande aposta do governo brasileiro
A vacina AstraZeneca/Oxford contra a Covid-19 é a grande aposta do governo brasileiro | Divulgação

O CEO do Instituto Serum da Índia, Adar Poonawalla, afirmou, nesta terça-feira, que "a exportação de vacinas está permitida para todos os países" e que houve uma "falha de comunicação" sobre o assunto. 

Procura de vacinas por clínicas privadas causa temor à rede pública

O Instituto Serum foi contratado para produzir 1 bilhão de doses da vacina de Oxford contra covid-19 para países em desenvolvimento, mas havia dado a entender, neste domingo, através de uma fala do próprio diretor, que iria barrar a exportação para outros países nos primeiros meses - até que a população indiana tivesse sido vacinada. 

Nesta terça-feira, no entanto, o Instituto Serum e o laboratório Bharat Biotech divulgaram um comunicado que contradiz a fala inicial de Adar Poonawalla e garantindo a exportação: "Comunicamos nossa intenção de desenvolver e fornecer vacinas contra a covid-19 para a Índia e globalmente. O mais importante é salvar vidas e oferecer a populações meio de subsistência na Índia e no mundo. Vacinas são um bem público de saúde mundial e têm o poder de salvar vidas e acelerar a normalidade da economia", conclui a nota.

Acordo com a Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), laboratório vinculado ao Ministério da Saúde, articula a importação de 2 milhões de doses prontas desse produto, produzido em fábrica indiana, o que permitiria antecipar para janeiro o calendário de imunização no Brasil. O plano da Fiocruz é também produzir doses, mas o primeiro lote deve ficar pronto apenas em fevereiro.

A Fiocruz deve pedir nesta semana o aval para uso emergencial da vacina à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O plano é também solicitar o registro definitivo - que permite a imunização em massa - até o dia 15.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS