Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

CONTINUIDADE

Auxílio emergencial pode voltar caso haja nova onda de Covid, diz Guedes

O valor pago no início foi R$600, mas após cinco meses, caiu para R$ 300

terça-feira, 10/11/2020, 19:52 - Atualizado em 10/11/2020, 19:52 - Autor: FOLHAPRESS


| Mauro Ângelo/Diário do Pará

O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu nesta terça-feira (10) que o auxílio emergencial pode voltar a ser pago à população no ano que vem, mas apenas caso o país seja atingido por uma nova onda do coronavírus.

As declarações foram dadas em resposta a uma pergunta sobre o auxílio emergencial e sua possível continuidade no ano que vem. "Deixamos bem claro para todo mundo. Se houver uma segunda onda no Brasil, temos já os mecanismos. Digitalizamos 64 milhões de brasileiros. Sabemos quem são, onde estão e o que eles precisam para sobreviver", afirmou Guedes em teleconferência com a agência Bloomberg.

É por meio da digitalização que os recursos do auxílio emergencial estão sendo pagos à população, por meio de contas virtuais da Caixa.

O ministro prosseguiu dizendo que os gastos ligados à Covid, que representam mais de 8% do PIB [Produto Interno Bruto], ficariam em patamares menores no caso de um novo crescimento da contaminação.

"Se uma segunda onda nos atingir, aí iremos aumentar mais [os gastos]. Em vez de 8% do PIB, provavelmente [usaremos] desta vez metade disso. Porque podemos filtrar os excessos e certamente usar valores menores", disse o ministro.

Guedes continuou sua fala dizendo que o auxílio emergencial, hoje a principal medida da crise ao demandar R$ 322 bilhões, foi desenhado no início com um valor menor justamente para ser pago por um período maior, mas que a classe política mudou os números.

O ministro planejava que R$ 200 fossem pagos à população, mas o Congresso demandou R$ 500 e presidente Jair Bolsonaro aumentou para R$ 600, com objetivo de ficar com a paternidade do valor. Após cinco meses, o valor caiu para R$ 300.

Segundo ele, mais gastos serão feitos somente no caso de a Covid demandar e isso é totalmente diferente de usar a contaminação já em declínio como uma justificativa para gastos. "O que definitivamente não faremos é usar uma doença que nos deixou como desculpa para fazer movimentos políticos irresponsáveis", afirmou.

"Nós podemos gastar um pouco mais. Exatamente porque as pessoas entendem que temos que voltar à situação anterior tão logo a doença nos deixe", afirmou. "Nós estamos prontos para agir se a doença vier novamente, mas certamente não agiremos [dessa forma] se ela for embora", afirmou.

Guedes voltou a afirmar que o Brasil vai "dançar" com todos os países mesmo se confirmada a eleição de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos e que não haverá problema algum com a vitória do democrata.

"Desde o começo eu disse que dançaremos com todos", disse. "Se confirmada a eleição de Biden, não devemos ter problema algum. Não é uma personalidade aqui ou nos EUA que vai afetar a relação entre os países", afirmou.

Questionado nesse momento sobre a atual política ambiental brasileira e como ela pode ser atacada nos EUA, Guedes afirmou que há um mal-entendido sobre o tema. Segundo ele, o governo deseja manter a soberania sobre a floresta, mas busca ajuda para preservá-la.

"Quando falamos da Amazônia, falamos de soberania. Há muita atividade ilegal de drogas, de armamentos, de mineração, desmatamento, e nós somos contra isso. Precisamos de ajuda para preservar adequadamente a região", reiterou.

Guedes disse que razões geopolíticas, em especial depois da Covid-19, criaram uma onda para evitar que a China ocupe o centro do sistema de informações. Segundo ele, a participação da Huawei no 5G do país está em análise.

"O Reino Unido está impedindo os chineses de estarem no centro do sistema de 5G, permitindo somente na periferia [do sistema]. Estávamos seguindo essa direção", afirmou.

"Estamos muito preocupados. Porque, por um lado, não queremos perder a revolução digital, como perdemos a revolução industrial. Mas, ao mesmo tempo, há preocupações geopolíticas. Então ainda estamos analisando e estudando isso", afirmou.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS