Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$
DETERMINAÇÃO

Fux suspende decisão de Marco Aurélio que libertou chefe do PCC

O ministro do STF afirmou que a soltura do chefe do PCC compromete a ordem pública por se tratar de uma pessoa "de comprovada altíssima periculosidade"

sábado, 10/10/2020, 22:58 - Atualizado em 10/10/2020, 22:58 - Autor: Com informações de Ricardo Della Coletta/Folhapress


André Macedo (foto acima) havia deixado a penitenciária na manhã de hoje (10)
André Macedo (foto acima) havia deixado a penitenciária na manhã de hoje (10) | Arquivo Pessoal

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, suspendeu uma decisão do ministro da Corte Marco Aurélio Mello e determinou o retorno à prisão de André de Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap, um importante chefe do PCC.

Celso refuta 'privilégios' e defende depoimento presencial de Bolsonaro

Macedo, 43, deixou a penitenciária de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, na manhã deste sábado (10) após decisão de Marco Aurélio, que havia considerado que ele estava preso desde o final de 2019 sem uma sentença condenatória definitiva, excedendo o limite de tempo previsto na legislação brasileira.

Ao suspender a determinação de seu colega no STF, Fux destacou que a soltura do chefe do PCC compromete a ordem pública e que se trata de uma pessoa "de comprovada altíssima periculosidade".

"Com efeito, compromete a ordem e a segurança públicas a soltura de paciente 1) de comprovada altíssima periculosidade, 2) com dupla condenação em segundo grau por tráfico transnacional de drogas, 3) investigado por participação de alto nível hierárquico em organização criminosa (Primeiro Comando da Capital - PCC), e 4) com histórico de foragido por mais de 5 anos", escreveu Fux.

STF libera Petrobras a vender refinarias sem autorização do Congresso

"Consideradas essas premissas fáticas e jurídicas, os efeitos da decisão liminar proferida no HC 191.836, se mantida, tem o condão de violar gravemente a ordem pública, na medida em que o paciente é apontado líder de organização criminosa de tráfico transnacional de drogas", concluiu.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS