Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

AVANÇO

Anvisa recebe informações sobre retomada de testes da vacina de Oxford

A AstraZeneca havia suspendido os testes com a vacina contra a covid-19 após um participante dos testes ficar doente

sábado, 12/09/2020, 19:02 - Atualizado em 12/09/2020, 19:02 - Autor: Agência Brasil


| Freepik

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu do laboratório britânico AstraZeneca as informações que faltavam para iniciar a análise de reativação do estudo clínico com a vacina da Universidade de Oxford no Brasil. Mais cedo, a agência reguladora havia divulgado nota informando que não havia sido comunicada oficialmente pela Autoridade Sanitária do Reino Unido (MHRA). Poucas horas depois, a situação foi regularizada.

Vacina contra Covid-19 que não usa vírus em composição deve ser testada no Brasil

Agora, cabe à Anvisa analisar os dados recebidos antes de liberar o reinício dos testes no Brasil. “Depois do anúncio de retomada do estudo no Reino Unido, feito pela Universidade de Oxford, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária vai seguir, nas próximas horas, o protocolo de análise necessário para avaliar o pedido. A Anvisa reitera que está comprometida com a celeridade na análise de todos os dados. Ao mesmo tempo, trabalha para garantir a segurança dos participantes do estudo clínico no Brasil”, informou em nota a agência na tarde de hoje (12).

A AstraZeneca havia suspendido os testes com a vacina contra a covid-19 após um participante dos testes ficar doente. Essa vacina está sendo testada em outros países além do Brasil. A pessoa que ficou doente é do próprio Reino Unido. Após investigações, os estudos foram liberados novamente e as autoridades dos países participantes devidamente informadas.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, e a AstraZeneca assinaram no fim de julho um termo que dará base para o acordo de transferência de tecnologia entre os laboratórios e a produção de 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19, caso seja comprovada a sua eficácia e segurança.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS