Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

CAMINHO PARA PRIVATIZAÇÃO

Presidente do Banco do Brasil pede demissão 

sexta-feira, 24/07/2020, 21:22 - Atualizado em 24/07/2020, 21:22 - Autor: Fonte: Uol


Rubem Novaes abre caminho para a privatização do BB, desejo antigo de Paulo Guedes
Rubem Novaes abre caminho para a privatização do BB, desejo antigo de Paulo Guedes | Reprodução

O presidente do Banco do Brasil (BB), Rubem Novaes, entregou nesta sexta-feira (24) um pedido de renúncia do cargo ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro da Economia, Paulo Guedes. A informação foi dada pelo próprio banco, em comunicado de fato relevante distribuído à imprensa e ao mercado financeiro. Ele ocupava o posto desde o início do governo, em janeiro de 2019. 

Segundo o BB, a demissão vale a partir de agosto, em data a ser definida. O comunicado informa que Novaes, de 74 anos, deixa o cargo por entender que a "companhia precisa de renovação para enfrentar os momentos futuros de muitas inovações no sistema bancário". 

O Banco do Brasil é uma sociedade de economia mista, com participação majoritária da União, sendo a maior instituição financeira do país, com mais de R$ 1,57 trilhão em ativos. Juntamente com a Caixa Econômica Federal, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Banco da Amazônia e o Banco do Nordeste, o Banco do Brasil é um dos cinco bancos públicos controlados pelo governo brasileiro.

Privatização

O executivo, que tem 74 anos de idade, é um dos defensores da privatização do BB, ao lado de Paulo Guedes.

No mês passado, em reunião com os parlamentares da comissão do Congresso que acompanha as ações econômicas relativas à pandemia de coronavírus, Rubem Novaes defendeu a privatização, após dizer que a competição será muito intensa nos próximos anos.

"A minha dúvida é se, com as amarras que nós temos do setor público, vamos ter velocidade de transformação que nos permita uma adaptação a esse novo mundo. Eu sinceramente desconfio que não", disse. "Hoje, o Banco do Brasil, apesar de ser extremamente eficiente, ter um pessoal extremamente qualificado e dedicado, concorre com os outros bancos com bolas de chumbo amarradas aos pés. As decisões são todas demoradas, têm que passar por TCU, Sest, Secom, CGU...".

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS