Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

JUSTIÇA

MP pretende denunciar Flávio Bolsonaro por 'rachadinhas'

quinta-feira, 25/06/2020, 12:31 - Atualizado em 25/06/2020, 12:31 - Autor: Com informações Último Segundo IG


O filho do presidente da república será acusado de peculato, organização criminosa e improbidade administrativa.
O filho do presidente da república será acusado de peculato, organização criminosa e improbidade administrativa. | Roque de Sá/Agência Senado

O Ministério Público do Rio de Janeiro deve denunciar, na sexta-feira (26), o senador Flávio Bolsonaro no esquema das 'rachadinhas'. O filho do presidente da república será acusado de peculato, organização criminosa e improbidade administrativa. As informações são da Revista Veja.

De acordo com a promotoria, Flávio era líder de um esquema que desviava parte dos salários de servidores públicos da Alerj para benefício próprio. O senador teria recebido a ajuda de Fabrício Queiroz, que era seu assessor parlamentar e o auxiliava na realização do esquema, conhecido como 'rachadinha'.

Fabrício Queiroz também será alvo de denúncia. Ele foi preso na última quinta-feira em um imóvel do advogado de Flávio, Frederick Wassef, em Atibaia. Queiroz será acusado de improbidade e de pertencer a organização criminosa.

Ministério Público do RJ crava Flávio Bolsonaro como chefe de quadrilha

OAB acelera trâmites para elaboração de pedido de impeachment de Bolsonaro

Os promotores também devem associar os milicianos ao gabinete de Flávio Bolsonaro. Para eles, o esquema das 'rachadinhas' servia para financiar a milícia do Rio.

No entanto, a denúncia, vai depender do resultado de um julgamento que vai acontecer nesta quinta-feira (25). O Tribunal de Justiça do Rio vai analisar o habeas corpus apresentado pela defesa de Flávio Bolsonaro, em que ele questiona qual órgão deve ser responsável por analisar o seu caso.

A defesa de Flávio alega que, a investigação deveria estar tramitando no órgão especial do TJ, e não na primeira instância. Já que os fatos investigados teriam acontecido na época em que ele era deputado estadual.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS