Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
29°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

AÇÃO E REAÇÃO

Prisão de Queiroz e angústia de Flávio fazem Bolsonaro entrar no isolamento social

sábado, 20/06/2020, 08:52 - Atualizado em 20/06/2020, 08:58 - Autor: Com informações de Josias de Souza


| Reprodução

O colunista Josias de Souza, do portal UOL, ironizou a reação de Jair Bolsonaro após a prisão de seu amigo de longa data Fabrício Queiroz.

Em sua coluna, Josias destacou que:

O ressurgimento de Fabrício Queiroz produziu algo inimaginável. Jair Bolsonaro tornou-se adepto da tática do isolamento social. Nas primeiras reações à prisão do velho amigo, o presidente deu a impressão de que deseja se isolar. Na live que transmitiu ao vivo pelas redes sociais na noite de quinta-feira, Bolsonaro isolou-se do próprio filho mais velho. Conseguiu a façanha de falar sobre o caso Queiroz sem defender Flávio Bolsonaro.


Ainda de acordo com o colunista, a reação do presidente é sintomática acerca das investigações pelas quais ele e os filhos passam, seja em relação a disseminação de fake news, corrupção com rachadinha ou ainda sobre a apologia ao fechamento do Supremo Tribunal Federal e Congresso, que transformariam a democracia brasileira em uma nova ditadura. Diz o autor que:

O silêncio de Bolsonaro diz muito sobre a precariedade da situação do filho. Flávio já recorreu uma dezena de vezes ao Judiciário para tentar trancar o inquérito que fareja suas contas e o seu patrimônio. Bolsonaro esqueceu o filho, mas rendeu uma solidariedade sanitária a Fabrício Queiroz, isolado em quarentena numa cela do sistema prisional do Rio de Janeiro. Disse que não é advogado do Queiroz, mas realçou que ele não estava foragido. Bolsonaro condenou a "prisão espetaculosa" do amigo, tratado como se fosse "o maior bandido da face da Terra."

Numa evidência de que os Bolsonaro não se equiparam adequadamente para o pior, Flávio se move como se desejasse romper o isolamento idealizado pelo pai. Com a imagem já bem rachadona, o senador trombeteia a tese segundo a qual seu infortúnio é resultado de "perseguição política" de gente interessada em desestabilizar a Presidência de Bolsonaro.

Por fim, destacou algumas das fracas estratégias utilizadas pelo governo federal para diminuir a importância e trabalho dos governadores em meio à pandemia de Covid-19:

Com essa estratégia, o Zero Um encosta o seu drama penal no governo do pai, furando o isolamento ensaiado por Bolsonaro. Exposto ao contágio, o presidente logo terá de aderir à pregação de que tudo não passa de invenção de promotores ideológicos, mancomunados com a extrema-imprensa, em conexão com um juiz que não merece crédito porque tem uma filha empregada na assessoria do governo fluminense do inimigo Wilson Witzel. Não deixa de ser uma linha de defesa. O problema é que os fatos injetam nessa tática uma dose elevada de cinismo.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS