Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

PANDEMIA

Bolsonaro se nega a mostrar exames que, segundo ele, deram negativo para coronavírus

sexta-feira, 20/03/2020, 14:59 - Atualizado em 20/03/2020, 14:59 - Autor: FOLHAPRESS


| Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro não divulgou até o momento cópia dos dois exames clínicos que realizou e que, segundo ele, deram negativo para o novo coronavírus.

O presidente fez dois testes, um no dia 12 e o outro no dia 17. Nas redes sociais, ele informou que ambos deram negativo, mas não mostrou documento formal das análises.

Quando realizou seu exame, o presidente Donald Trump (EUA) divulgou um memorando oficial assinado por seu médico, atestando que a análise não havia detectado o Covid-19.

A reportagem solicitou à Secom (Secretaria Especial de Comunicação) da Presidência da República cópia do exame em duas oportunidades, mas não obteve resposta.

Até o momento, pelo menos 23 pessoas ligadas à comitiva presidencial que viajou aos Estados Unidos no início deste mês foram diagnosticados com a doença.

Um deles foi o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, que um dia antes de seu teste ter dado positivo se reuniu três vezes com o presidente, sem máscara de proteção.

Nesta sexta-feira (20), outros assessores presidenciais foram confirmados com o coronavírus, sendo que dois deles têm contato frequente com Bolsonaro: o ajudante de ordem Mauro Cid e o assessor internacional Filipe Martins.

Na quarta-feira (18), em entrevista à imprensa, o presidente disse que poderia realizar um novo teste. A expectativa é de que ele seja feito na próxima segunda-feira (23).

Bolsonaro também foi alvo de críticas por dizer, em uma entrevista à rádio Super Tupi, na terça (17), que faria uma "festinha tradicional" para comemorar seus 65 anos no sábado (21). Uma das principais recomendações dos especialistas diante da crise sanitária é a redução do contato social.

Após a repercussão negativa, o presidente anunciou que passará a data apenas na companhia da primeira-dama Michelle Bolsonaro, de sua filha caçula Laura e de sua enteada Letícia.

Em live semanal, o presidente questionou na quinta (19) o efeito das medidas adotadas por governadores para tentar reduzir o risco de contágio da doença, como o fechamento de academias de ginástica e de fronteiras estaduais.

"O remédio quando é em excesso pode não fazer bem ao paciente. Uns fechando supermercado outros querendo fechar aeroporto. Outros querendo colocar uma barreira na divisa entre estados e fechando academias. A economia tem de funcionar", disse.

Bolsonaro ressaltou que medidas que ele considera excessivas podem levar as pessoas a ficarem desabastecidas e a perderem seus empregos. "As pessoas não vão ficar em casa e se alimentar do nada. Tem de buscar meio de sobrevivência. E, se faltar o emprego, falta o pão em casa e os problemas se avolumam", disse.

No último domingo (15), o presidente ignorou orientações dadas por ele mesmo dias antes, ao estimular e participar dos protestos pró-governo sem demonstrar preocupação com a crise do coronavírus.

Sem máscara, participou das manifestações, tocando simpatizantes e manuseando o celular de alguns apoiadores para fazer selfies. "Isso não tem preço", disse, durante transmissão ao vivo em suas redes sociais.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS