Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

ENTEDA

Navio brasileiro tem desafio histórico para chegar a Antártida

domingo, 12/01/2020, 18:18 - Atualizado em 12/01/2020, 18:18 - Autor: Claudia Collucci / Folhapress


| Divulgação / Marinha

Bom dia, tio Max! É com essa saudação, às 7h, seguida de música, notícias do Brasil, dados sobre localização, velocidade do vento e temperatura da água, que as atividades começam no navio polar Almirante Maximiano, uma espécie de laboratório-ambulante da Marinha que dá apoio às pesquisas na Antártida.

Cerca de 40% da produção científica brasileira na região é feita dentro do navio, avaliado em R$ 150 milhões. O restante acontece em acampamentos (20%), em módulos automatizados (15%) e na Estação Comandante Ferraz (20%), que será reinaugurada nesta terça (14), na ilha Rei George.

Em missões de rotina, o tio Max, como é chamado pelos marinheiros, transporta 30 pesquisadores e abriga 17 equipamentos para estudos geológicos, geofísicos e meteorológicos. Entre as pesquisas estão as que investigam a biodiversidade marinha, mudanças climáticas e o efeito das correntes antárticas no clima brasileiro.

O navio conta com um heliponto e dois helicópteros, que fazem o transporte de suprimentos para os pesquisadores que ficam acampados no interior da Antártida. Dois botes também ajudam tanto no transporte como na coleta de materiais de estudo.

A Folha de S.Paulo esteve durante cinco dias a bordo do tio Max a caminho da base científica brasileira. O navio saiu na segunda (6) do porto de Puenta Arenas (Chile), com 109 pessoas a bordo entre militares e jornalistas. A capacidade máxima é de 113 passageiros.

Os camarotes possuem "triliches", beliches onde dormem três pessoas, e há um pequeno banheiro para atender até seis pessoas. São servidas quatro refeições por dia (café da manhã, almoço, jantar e ceia), preparadas na cozinha do tio Max, que, a cada missão antártica, produz até 40 toneladas de comida. Churrasco, dobradinha, frango assado e arroz carreteiro foram alguns dos pratos servidos.

Sem TV ou acesso à internet e com o balanço incessante do navio na maior parte do trajeto, a diversão a bordo fica por conta de jogos de dominó, pebolim, videogame, além de uma seleção de filmes. Também é possível aventurar-se na academia de ginástica e ter a sensação de que a esteira vai fugir dos seus pés.

Os avisos, como horários das refeições e orientações à tripulação, são dados por meio de apitos, que lembram cantos de passarinhos. Eles são transmitidos em alto-falantes instalados em todo o navio.

A grande expectativa da viagem era a travessia do estreito de Drake, trecho obrigatório da viagem entre o continente sul-americano e a península Antártica e considerado um dos mais perigosos do mundo, com ondas que podem chegar 12 m e ventos que já atingiram 200 km/h. Estima-se que 800 embarcações tenham afundado no local, matando 10 mil marinheiros.

Na última terça (7), pouco mais de 24 horas navegando pelos canais austrais, o comandante do navio, João Candido Marques Dias, capitão de mar e guerra da Marinha, decidiu "aterrar" a embarcação nos canais austrais, perto de Puerto Williams (na região chilena da Terra do Fogo), em razão dos fortes ventos e das ondas de 6 m previstas para a região do Drake nas horas seguintes.

Segundo ele, a ideia foi aguardar uma janela em um lugar mais protegido para evitar avarias na embarcação e mal-estar nas pessoas. A espera durou 30 horas. A travessia do Drake começou na madrugada de quinta (8) e terminou na tarde de sexta (9), quando o navio adentrou na península Antártica.

Durante o trajeto, as ondas atingiram até 4 m, causando forte balanço na embarcação. Foi o suficiente para causar enjoos em alguns militares e jornalistas (esta repórter conseguiu se safar), derrubar objetos e tornar quase impraticável uma simples uma ida ao banheiro.

Nesse período, móveis e objetos no navio ficaram amarrados. Pratos de louça foram substituídos pelos de plástico e até o cardápio do café da manhã, que tinha previsão de mortadela, foi mudado para evitar que os cozinheiros corressem riscos com o fatiador.

Para o comandante Marques Dias, no entanto, foi uma travessia tranquila. "Foi ótimo, não pegamos ondas muito grandes. A parada foi estratégica."

Na manhã de sábado (11), o navio ancorou próximo à base científica, e o desembarque rumo à estação Comandante Ferraz aconteceu na manhã deste domingo (12).

NAVIO AJUDA A ATUALIZAR CARTAS NÁUTICAS

Entre os equipamentos usados nas pesquisas dentro do navio, especialmente na área de oceanografia, há dois guinchos que fazem um levantamento do fundo marinho, medindo a profundidade e coletando dados como temperatura, salinidade e amostras de resíduos do local. Eles alcançam de 8 a 10 km de profundidade.

A Marinha também utiliza esses equipamentos para fazer a atualização das cartas náuticas. O Brasil participa de um acordo internacional que faz o levantamento hidrográfico da Antártida.

 "Não é um lugar que seja totalmente cartografado, mapeado. A gente não tem carta [náutica] de todos os lugares, é um lugar em construção", diz o comandante Marques Dias, que já esteve em nove missões na região.

No ano passado, o navio fez esse trabalho na baia da ilha Rei George, onde fica a base científica brasileira na Antártida.

Segundo Rodrigo Tecchio, capitão tenente da Marinha, na atualização de uma carta náutica é verificado, por exemplo, se as profundidades existentes na região são as mesmas do levantamento anterior.

No trabalho feito na ilha, por exemplo, foi verificado que a carta náutica antiga apontava um determinado local com 679 m de profundidade. Com equipamentos mais modernos, verificou-se agora que a medida correta é 620 metros.

Em outro trecho, a carta antiga marcava 108 m de profundidade, quando, na verdade, a profundidade correta é de 396 m. "Antigamente, os equipamentos eram bem mais arcaicos, utilizava-se o prumo para verificar as profundidades", explica Tecchio.

O navio tem ainda um medidor de correntes oceânicas, que tem por finalidade investigar o comportamento delas em uma região com condições climáticas tão extremas, além do transporte de materiais orgânicos.

Segundo Tecchio, essas informações auxiliam não só a Marinha como também pesquisadores que atuam na Antártida, além de serem armazenadas no Banco Nacional de Dados Oceanográficos, aberto às instituições que atuam nessa área.

O navio conta ainda com uma estação meteorológica automática, que fica ligada 24 horas, e, de três em três horas, envia mensagens com dados de temperatura do ar, da água, da pressão atmosférica, entre outros. Eles seguem para o centro de informações da Marinha e servem de subsídio para a previsão do tempo no Brasil.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS