Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Brasil

TROCA DE PARTIDO?

'Esquece o PSL, tá ok?', declara Bolsonaro a pré-candidato

terça-feira, 08/10/2019, 12:51 - Atualizado em 08/10/2019, 13:08 - Autor: FOLHAPRESS


Deputado Luciano Bivar (PE), que estaria 'queimado para caramba'.
Deputado Luciano Bivar (PE), que estaria 'queimado para caramba'. | Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) pediu a um apoiador para esquecer o PSL e criticou o comandante nacional do partido, deputado Luciano Bivar (PE), que estaria "queimado para caramba". 

"Esquece o PSL, esquece o PSL, tá ok?", cochichou Bolsonaro no ouvido do apoiador que o esperava nesta terça-feira (8) na porta do Palácio da Alvorada para gravar um vídeo. 

Um jovem se aproximou do presidente com um celular para fazer um vídeo e disse: "Eu sou do Recife, pré-candidato do PSL". Bolsonaro pede então que ele esqueça a legenda, mas o apoiador insiste. "Eu, Bolsonaro e Bivar juntos por um novo Recife, aê!", grita o jovem, enquanto registra a cena com um celular em posição de selfie.

Ao perceber que foi gravado, o presidente então pede que a imagem não seja divulgada. "Oh cara, não divulga isso não, pô. O cara tá queimado para caramba lá. Vai queimar o meu filme também. Esquece esse cara, esquece o partido", afirmou. 

Em seguida, os apoiadores que cercavam o presidente recomendaram que o vídeo fosse apagado. Poucos segundos depois, o mesmo jovem refez o vídeo, suprimindo nome do presidente do PSL, Luciano Bivar, e do partido. "Viva o Recife, eu e Bolsonaro", diz.

A fala do presidente na manhã desta terça contrasta com o discurso do governo sobre sua permanência no PSL. O partido enfrenta uma crise desde que foi atingido por suspeitas de candidaturas de laranjas, caso revelado pela Folha de S.Paulo em fevereiro e que já resultou na queda do ex-chefe da Secretaria-Geral Gustavo Bebianno.

Entre os suspeitos de irregularidades estão Bivar e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. "Não há, da parte do presidente, agora, nenhuma formulação com relação a uma suposta transição do partido", afirmou o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, na segunda-feira (7). 

Em fevereiro a Folha revelou que o hoje ministro do Turismo de Bolsonaro patrocinou em 2018, quando era presidente do PSL-MG e candidato a deputado federal, o desvio de verbas públicas do partido por meio de quatro candidatas laranjas do interior de Minas. 

Apesar de figurarem no topo das que nacionalmente mais receberam dinheiro público do PSL, R$ 279 mil, as quatro não apresentaram sinais evidentes de que tenham realizado campanha e, ao final, reuniram, juntas, apenas 2.074 votos.

Parte dos recursos que Álvaro Antônio direcionou a elas, como presidente estadual da sigla, foi parar em empresas ligadas a assessores e ex-assessores de seu gabinete na Câmara. O ministro foi indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público de Minas nas apurações das candidaturas laranjas do PSL sob a acusação de três crimes. 

Além de Minas, a Folha revelou a existência do esquema também em Pernambuco, terra do presidente nacional da legenda de Bolsonaro, o deputado federal Luciano Bivar.

VEJA COMO FUNCIONOU O ESQUEMA

Qual a origem da suspeita de esquema envolvendo candidatura laranja do PSL?

A Folha de S.Paulo revelou, em 4.fev, que o ministro do Turismo do governo Bolsonaro, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), deputado federal mais votado em MG, patrocinou um esquema de candidaturas de laranjas no estado, abastecidas com verba pública do PSL, em 2018

Como funcionou esse esquema? 

Álvaro Antônio era presidente do PSL em Minas e tinha o poder de decidir quais candidaturas seriam lançadas. As quatro candidatas receberam R$ 279 mil de verba pública de campanha da legenda, ficando entre as 20 que mais receberam dinheiro do partido no país inteiro

Quais as evidências de que as candidaturas eram de laranjas?

Não há sinais de que elas tenham feito campanha efetiva durante a eleição. Ao final, juntas, somaram apenas cerca de 2.000 votos, apesar do montante recebido para a campanha.

Em buscas realizadas pela PF em MG no fim de abril, os policiais não encontraram nas gráficas citadas nas prestações de contas nenhum documento que indicasse que elas de fato prestaram os serviços declarados à Justiça Eleitoral

O que foi apurado até agora?

A PF afirmou que há indícios concretos de que houve irregularidades na prestação de contas das campanhas e que Álvaro Antônio era a cabeça do grupo que organizou o esquema. A suspeita é que os valores relatados foram desviados para outros candidatos ou para terceiros. Um depoimento e uma planilha obtidos pela PF sugerem que recursos do esquema foram desviados para abastecer, por meio de caixa dois, a campanha de Jair Bolsonaro e a de Álvaro Antônio

Qual a origem da suspeita de caixa dois?

O coordenador da campanha do ministro a deputado federal disse à PF que acha que parte dos valores depositados para as campanhas femininas foi usada para pagar material de campanha de Álvaro Antônio e de Bolsonaro. Em uma planilha há referência ao fornecimento de material eleitoral para a campanha de Bolsonaro com a expressão "out", o que significa, na compreensão de investigadores, pagamento "por fora"

Álvaro Antônio foi alvo de denúncia sob que acusação?

Ele é acusado de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa. O ministro nega ter cometido irregularidades

O que se sabe sobre candidatura laranja em Pernambuco? 

A Folha revelou em 10 de fevereiro que o grupo do atual presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara dos Deputados, criou uma candidata laranja em Pernambuco que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

Como funcionou esse esquema? 

Maria de Lourdes Paixão, 68, virou candidata de última hora para preencher vaga remanescente de cota feminina. O PSL repassou R$ 400 mil do fundo partidário no dia 3 de outubro, quatro dias antes da eleição –ela foi a terceira que mais recebeu dinheiro do partido no país.

Quais as evidências de que ela era laranja? 

A candidata sustenta que gastou 95% do dinheiro em uma única gráfica para a confecção de 9 milhões de santinhos e 1,7 milhão de adesivos. Para isso, cada um dos quatro panfleteiros que ela diz ter contratado teria, em tese, a missão de distribuir, só de santinhos, 750 mil unidades por dia -sete panfletos por segundo, no caso de trabalharem 24 horas ininterruptas.

A Folha de S.Paulo foi a endereços vinculados à gráfica e não encontrou sinais de que ela tenha funcionado durante a eleição. Não há também sinais de que a candidata tenha de fato feito campanha. Lourdes teve somente 274 votos. O advogado que defende Lourdes na investigação tem seus honorários pagos pelo PSL.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS