Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$

Notícias

FISCALIZAÇÃO

Semas apreende madeira ilegal durante operação no nordeste do Pará

sexta-feira, 21/02/2020, 08:41 - Atualizado em 21/02/2020, 08:41 - Autor: Agência Pará


| Ascom/ Semas

Dois caminhões carregados com 25,5 metros cúbicos de madeira, retiradas de forma ilícita de uma reserva no município de Acará, foram apreendidos durante a realização de uma operação de combate a exploração ilegal de madeira da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), com apoio do Batalhão de Polícia Ambiental. A ação, iniciada na segunda-feira (17), no nordeste paraense, se concentra em áreas de reservas legais de empreendimentos particulares.

Os motoristas dos caminhões foram autuados por transporte ilegal do produto florestal e encaminhados à delegacia do município, onde assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência. Os veículos e as madeiras apreendidas ficarão retidos na Secretaria até a destinação final. A operação encerra nesta sexta-feira (21).

“As reservas legais de grandes empresas que ficam nessa região do Estado, têm uma importância muito grande porque mantém alguns dos últimos remanescentes de floresta nativa com várias espécies da fauna e da flora, que são únicas na Amazônia”, avalia a diretora de fiscalização ambiental da Semas, Andréa Coelho.

Desmatamento

Na última segunda-feira (17), o governador Helder Barbalho assinou, no Palácio do Governo em Belém, o decreto que institui a Força Estadual de Combate ao Desmatamento no Estado do Pará, sob coordenação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). A criação da Força Estadual faz parte da macroestratégia “Amazônia Agora”, para desenvolver iniciativas que reduzem as taxas de desmatamento ilegal no Pará.

São integrantes da Força Estadual de Combate ao Desmatamento o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS