Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias

ARTIGO

Gugu morreu por uma decisão errada. Entenda o motivo!

terça-feira, 26/11/2019, 12:05 - Atualizado em 26/11/2019, 12:04 - Autor: Dr Carlos Sperandio/Geriatra


O apresentador tinha 60 anos e se submeteu a uma atividade não recomendada para pessoas da idade dele
O apresentador tinha 60 anos e se submeteu a uma atividade não recomendada para pessoas da idade dele | Reprodução

Gugu morreu de traumatismo craniano após queda de nível, cerca de 4 metros, na casa nova recém adquirida no mesmo condomínio que morava em Orlando, nos Estados Unidos.

Certo?

Negativo!

Gugu morreu de uma decisão errada. Ele acreditou ter condições físicas e cognitivas para subir em um lugar perigoso e negligenciou o risco de queda.

Erro na tomada de decisão e quedas são dois gigantes da geriatria que causam muitas mortes e sequelas todos os anos, entre os idosos.

Gugu tinha só 60 anos. Pelas leis brasileiras ele era considerado idoso. Hoje, muitos sessentões podem contrapor essa prerrogativa legal, pois não à toa se diz "os 60 são os novos 40". Fato que verifico na prática - tenho pouquíssimos pacientes de consultório com menos de 70 anos.

"Velho é quem tem mais de 75 anos", dizem. E estão certos por vários ângulos. Mas, não por todos.

Todos devemos primar por nossa segurança, desde o uso do cinto de segurança, até mesmo olhando onde pisamos e/ou subimos. O número de idosos que cai e quebra coluna ou o fêmur, que batem à cabeça e tem traumatismo craniano, é enorme!!

A maior fonte de acidentes acontece em seu próprio lar, por ter subido numa simples cadeira, ter molhado o chão, ter tido pressa desnecessária, ou por ter tropeçado no caminho que sempre faz dentro da própria casa. Por que não esperar alguém ou contratar um profissional?

Os riscos de uma decisão errada são enormes!

Na geriatria jamais tiramos o poder de decisão do idoso. Cabe a nós apenas salientar que a capacidade funcional diminui inexoravelmente, aumentando a chance de risco com movimentos considerados habituais para os jovens.

Ou seja, pode fazer, mas pense duas vezes, tenha autocrítica, respeite sua idade!

Segurança é a palavra de ordem nas quedas e acidentes evitáveis.

FORMAÇÃO

O artigo acima, replicado na íntegra, foi escrito pelo Dr Carlos Sperandio que é geriatra com graduação em Medicina - PUCPR - janeiro/2002.

​Residência em Medicina de Família e Comunidade - PUCPR - 2003/2004.

​Título de Especialista em Clínica Médica - SBCM - 2006.

​Pós-Graduação em Geriatria - FAVI / UP - 2008/2009.

​Mestre em Engenharia Biomédica - UTFPR - 2014.

​Título de Especialista em Geriatria - SBGG - 2017.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS