Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$
O PAPO É OUTRO

Leão Azul com nova identidade para o Re-Pa

segunda-feira, 17/06/2019, 08:55 - Atualizado em 17/06/2019, 15:50 - Autor: Bruna Dias


Goleiro azulino afirma que time está com a cabeça
tranquila após a perda da invencibilidade
Goleiro azulino afirma que time está com a cabeça tranquila após a perda da invencibilidade | Maycon Nunes

A derrota sofrida na semana passada, para o São José-RS, em consequência de uma péssima exibição, não caiu bem pelas bandas do Baenão, algo prontamente reconhecido pela comissão técnica e jogadores do Clube do Remo. O revés, por sua vez, que encerrou a sequência invicta da equipe, não diminuiu a boa campanha azulina nesta fase de grupos da Série C, em que ocupa a vice-liderança do seu chaveamento com os mesmos 15 pontos do Juventude, primeiro colocado. Dessa maneira, com o apetite de retornar à ponta da tabela, o Leão irá para o compromisso da nona e última rodada do primeiro turno, com o objetivo de se manter nas cabeças e vencer o seu oponente histórico em 2019, algo que ainda não aconteceu.

Imponente na temporada passada, quando aplicou quatro pisas seguidas no rival nos confrontos diretos, nesta temporada, no entanto, o tom azul-marinho não saiu com o braço erguido. Em dois jogos diante do Paysandu, um empate em 1 a 1 e um sacode de 3 a 0, todos pelo Estadual.

Assim, isso serve como um ingrediente a mais, como pontuaram os jogadores azulinos, que almejam que o resultado final, desta vez, seja o oposto. “Clássico é diferente e Re-Pa ainda é mais difícil. Estamos bem na competição e estávamos preparados para isso (derrota). Bola para frente que estamos vivos para continuar bem na competição e com uma boa vitória na rodada”, disse o goleiro Vinícius.

E caso o Remo conquiste o resultado diferente dos passados, isso será atrelado às modificações feitas do último Re-Pa até o momento, já que a equipe, embora com certa base, esbanja sete alterações significativas no time titular, além do engajamento tático-técnico elaborado pela comissão técnica, o que permitiu ao time dar uma arrancada no certame. Assim, apesar de estar em um momento melhor que o adversário, a equipe segue ciente de que em clássico não há favorito, mas que espera continuar com os ventos favoráveis no campeonato. “O resultado não apaga o que construímos até agora. Vai ser mais uma partida difícil como em toda a competição. Temos que estar preparados para tudo e voltar a pontuar, que é o mais importante, independente de quem formos enfrentar”, completou o volante azulino Ramires.

AS MUDANÇAS NO LEÃO DESDE O ÚLTIMO RE-PA

ESCALAÇÃO

- No último clássico: Vinícius; Geovane, Marcão, Kevem e Rafael Jensen; Diogo Sodré, Dedeco, Douglas Packer e Djalma; Gustavo Ramos e Mário Sérgio. Técnico: Márcio Fernandes.

- Atualmente: Vinícius; Rafael Jansen, Marcão, Fredson e Daniel Vançan; Ramires, Yuri, Douglas Packer e Carlos Alberto; Gustavo Ramos e Emerson Carioca. Técnico: Márcio Fernandes.

DEFESA

O setor sofreu mudanças, tanto de entradas quanto de posicionamento neste comparativo. Vinícius, intocável, continuou na função, assim como o zagueiro Marcão. Contudo, Fredson assumiu a dupla de zaga. Rafael Jansen continuou improvisado, agora na ala-direita, já que Vançan deve assumir o lado esquerdo. A composição permitiu ao Remo ter a segunda melhor defesa da Série C.

MEIO DE CAMPO

Da escalação anterior, somente Douglas Packer permanece no meio de campo. A reformulação no setor, aliás, foi fundamental para a evolução do rendimento do time, pela segurança dos volantes (Yuri e Ramires) e distribuição nas jogadas ofensivas (com Carlos Alberto).

ATAQUE

Gustavo Ramos segue intacto no ataque, mas agora na companhia de Emerson Carioca, já que Mário Sergio aparece como terceira opção para a função. E, mesmo com aproveitamento ainda aquém dos atacantes, a estratégia adotada permitiu aos jogadores serem mais participativos nas jogadas de gols, já que o Remo possui um bom saldo de bolas na rede na competição nacional.

IDENTIDADE

No último Re-Pa, Márcio Fernandes comandava o Remo apenas pela terceira vez. Assim, pouco conseguiu transmitir da sua filosofia de jogo aos atletas. Agora, com mais de três meses na função, o comandante criou um time mais dinâmico e efetivo em campo.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS