Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Esporte / Parazão

Parazão

Setor jurídico do Paysandu está preparado

segunda-feira, 08/04/2013, 08:00 - Atualizado em 08/04/2013, 08:00 - Autor:


Enquanto o Campeonato Paraense segue indefinido, o departamento jurídico do Paysandu já trabalha em sua defesa, uma vez que foi citado pelo Santa Cruz na documentação encaminhada ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva, por ocasião da partida entre as equipes, vencida pelo Papão por W.O. O campeonato só será retomado após o julgamento do mérito, pelo pleno do TJD/PA.


“O que chama atenção do Paysandu nesse processo é que na realidade o Santa Cruz deveria ter comparecido a campo. O não comparecimento, na minha opinião, foi crucial para que se mantenha a decisão do TJD, visto que a alteração das datas não se deu apenas por vontade da federação. Na verdade, a alteração se deu porque a Polícia Militar não deu garantia”, argumenta o advogado Alberto Maia.
O jurista, em seu entendimento, acredita que o presidente do TJD, Antônio Barra Britto, deve marcar a apreciação do mérito nesta semana, no entanto, reitera que a medida tomada pela presidência do clube, quanto ao W.O, até o momento, está definida. “Inicialmente, a decisão do presidente Vandick Lima é de que o Paysandu não volte a campo, já que o Santa Cruz perdeu por W.O. Ela pode ser reavaliada pelo presidente, mas a decisão é essa e o departamento jurídico apoia”, prossegue.


O departamento jurídico vai atuar em duas frentes de defesa. A primeira irá diretamente à sede do STJD, no Rio de Janeiro, representada pelo advogado Osvaldo Sestário, enquanto, aqui em Belém, na sede do TJD, o advogado Bruno Castro fará a manifestação oral em defesa do clube, isentando o time de quaisquer problemas relacionados ao desmembramento da rodada final do segundo turno.


“Todas as equipes concordaram com a situação, mas lamentavelmente o Santa Cruz não entendeu isso. E, mesmo estando em Belém, não compareceu ao Mangueirão para disputar a partida”, conclui o jurista.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS