Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Esporte / Parazão

Parazão

Paysandu quer vencer com brilho depois do W.O.

sexta-feira, 29/03/2013, 07:47 - Atualizado em 29/03/2013, 07:47 - Autor:


Apesar da repercussão negativa que a partida entre Santa Cruz de Cuiarana e Paysandu causou nos bastidores do Parazão, os jogadores do bicola se dizem tranquilos quanto ao resultado, uma vitória por W.O. diante da ausência do adversário, que se recusou a ir ao Mangueirão, depois que a Federação Paraense de Futebol não aceitou o pedido para transferir a referida partida para o estádio Parque do Bacurau, em Cametá.


O grupo permaneceu no gramado por mais de 30 minutos, como manda o regulamento, e em seguida se retirou depois que o árbitro Benedito Pinto da Silva decretou o final da partida, sem entender a recusa do adversário, que agora poderá sofrer sanções por parte da Federação, incluindo a suspensão por três anos, mais o rebaixamento à divisão de acesso do campeonato.


“Uma equipe como a do Santa Cruz, que investiu alto, que dependia apenas dela mesmo e podia se classificar até perdendo e deixar de entrar em campo? Isso nos deixa triste, até porque é uma excelente equipe. Espero que isso não tire o brilho do Campeonato Paraense”, observa o meia Alex Gaibu, sem temer a ameaça do “Tapetão”, não descartada pelo Tigre. “Não temo, não. Foi determinado pela federação que teria jogo e fizemos o que tinha que ser feito. Foi o Santa Cruz que não esteve presente”.


Passado o episódio lamentável, a delegação do Paysandu se reapresentou na manhã desta quinta-feira, no estádio da Curuzu, onde o preparador físico Wellington Vero comandou um trabalho com os jogadores. Pela tarde, o grupo foi liberado e só retorna aos treinos na manhã de sábado. Os jogos da semifinal acontecem a partir do dia seis de abril. “Não temos adversário preferido. Quem vier nos enfrentar o Paysandu estará pronto. Não será jogo fácil”, acredita Lecheva, que já avisou ter aproximadamente 10 dias para trabalhar exclusivamente os itens descritos por ele como “preocupante em termos de lesão”.


Sinceridade é com o capitão


Sempre que procurado, o capitão do Paysandu, o volante Vanderson, dificilmente escapa das polêmicas. A personalidade forte geralmente o faz dizer as coisas “na lata”, fato que algumas vezes desagradou profissionais que trabalham direta ou indiretamente com o clube no qual veste a camisa, mas também atrai admiração por dizer o que pensa.


No caso do W.O. do Santa Cruz, como não poderia deixar de ser, o volante deu o seu palpite. Segundo ele, o imbróglio provocado por uma decisão inesperada do Tigre, faz o campeonato se remeter a épocas passadas, onde o profissionalismo passava longe da administração do futebol paraense. “Parecia o intermunicipal que disputava há mais de dez anos. É vergonhoso e triste para o nosso futebol. Primeiro foi aquele lamaçal no estádio do Águia e agora isso, o que envergonha demais”, afirma.


A experiência de longas datas no futebol paraense o deixa preocupado porque a desorganização, entre outras consequências, pode afugentar o maior incentivador do campeonato. “É claro que isso pode afastar o torcedor. Ele também vive essa insegurança. O que eu digo aos torcedores do Paysandu é que ele venha apoiar a gente na semifinal porque estamos preparados para ganhar o título”.


Por fim, quando perguntado sobre quem seria o responsável maior, o volante não mediu palavras. “Acho que a culpa é da federação, que tem que se impor mais. Ela tem culpa porque quando o Santa Cruz pediu o jogo em Cametá ela deveria ter negado. Mas, isso não me cabe e sim à diretoria”, encerra.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS