Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
29°
cotação atual R$

Esporte / Parazão

Parazão

Chuvas dificultam vida do Clube do Remo

sexta-feira, 15/03/2013, 03:37 - Atualizado em 15/03/2013, 03:37 - Autor:


Definitivamente as águas de março, como definiria Tom Jobim, estão atrapalhando o Clube do Remo. Depois de fazer o time pular de campo em campo, para poupar os treinos no gramado encharcado do Baenão, a comissão técnica azulina revelou que um quadro de gripe ataca o plantel. Em curto espaço de tempo, cinco jogadores considerados titulares, adquiriram virose em decorrência ao período chuvoso na cidade de Belém. São eles: Nata, Henrique, Clébson, Mauro e Jhonnathan.


Os três últimos, por sinal, atuaram na vitória sobre o Cametá já com sintomas. Logo após o jogo, o departamento médico do Leão medicou os jogadores. Já os dois primeiros, Nata e Henrique, adquiram a patologia antes do jogo, inclusive, o zagueiro Henrique chegou a ser cortado da relação as véspera do jogo em circunstâncias da doença. Por conta desse alto índice, o técnico Flávio Araújo até chegou a estudar a possibilidade de mudança de horário dos treinos.


“Temos muito jogadores com virose pelas chuvas que caem durante à tarde. Estamos estudando até passar os treinos para o período noturno”, revelou Flávio ao final do embate com Mapará. Ontem, Mauro e Jhonnathan não estiveram no grupo dos titulares, pois passaram por uma revisão médica. E eles, os médicos do Remo, classificam todos os casos como normais e fora de preocupação. A convivência em grupo e o fato da maior parte ser de fora de estado contribuíram para a proliferação, conforme explicou Ricardo Ribeiro, representante do departamento médico. “A mudança de clima da cidade e o fato de estarem em contato o tempo todo contribuiu. Mas, está tudo dentro da normalidade, sendo medicados e não preocupam”, explicou Ricardo Ribeiro. É, as águas de março, sempre fecham o verão. Seja na música, seja no futebol.


Flávio Araújo já disse: é Carlinho Rech e mais 10


Após a vitória em cima do Cametá, o Clube do Remo se reapresentou dividido na tarde de ontem. Os jogadores que atuaram os 90 minutos da partida foram até a academia parceira do clube, no bairro de Nazaré, centro da cidade. O restante do plantel se dirigiu ao campo dos estivadores, na Rodovia Mário Covas. Após ser poupado pelo técnico Flávio Araújo do último jogo, o zagueiro Carlinho Rech estava junto com o grupo. Ele já tem a vaga garantida no Re-Pa do próximo domingo.


“Eu não tenho medo de fazer mudanças. Um dos dois zagueiros (Mauro ou Zé Antônio) vai ser o companheiro de Carlinho no Re-Pa. Cada jogo tem sua história, então eu vou escolher quem se adaptar melhor”, informou o técnico Flávio Araújo. Vivendo a expectativa da escolha do treinador, Zé Antônio diz estar focado no clássico. “Tenho certeza que o Flávio Araújo escolherá o melhor para entrar em campo, mas, se depender de mim, quero jogar. Devido os últimos acontecimentos no Re-Pa, estou bem mais motivado e focado para que não haja mais erro”, afirma Zé, referindo-se ao fato de ter escorregado em um dos lances de gols do Paysandu, no segundo jogo da final.


A grande dúvida, no entanto, envolvia o atacante Fábio Paulista. Ele deixou a partida diante do Cametá na maca, depois de sofrer uma falta no tornozelo. Ontem, ao invés de ir para academia, o atleta fez fisioterapia e, segundo informou o médico Ricardo Ribeiro, Paulista está bem. “Ele levou um baque, mas fez fisioterapia e ganhou liberação para amanhã (hoje), quando vamos observar o atleta, mas acredito que não seja problema para domingo”, assegura.


Presidente escapa de punição 


O presidente do Remo, Sérgio Cabeça, corria o risco de ficar suspenso de suas atividades no clube por cerca de 90 dias. Porém, ontem, a preocupação passou. Em novo julgamento no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, Cabeça foi absolvido da punição.


A pena seria aplicada pelo não pagamento da multa de R$ 5 mil, que estava relacionada à punição imposta após a perda de quatro mandos de campo no dia três de outubro do ano passado por conta de arremessos de latas e garrafas nos árbitros da partida contra o Mixto (MT), pelo Campeonato Brasileiro da Série D. Defendendo o Remo, o advogado Osvaldo Sestário alegou que a multa foi paga, mesmo fora do prazo. O fato deu a Sestário a chance de pedir a absolvição de Sérgio.


O pedido foi atendido pelo relator Paulo César Salomão, mas a nova multa pelo atraso, no valor de R$ 1,5 mil, permaneceu. Os auditores do STJD seguiram o relator e, por unanimidade, votaram pela absolvição de Sérgio Cabeça. 


PROIBIDO DE ENTRAR


O empresário Emerson Dias, agente de atletas locais, está proibido de entrar no Baenão. Um documento, assinado pelo presidente Sérgio Cabeça e o vice Zeca Pirão, está proibindo a entrada do empresário nas dependências do Estádio Baenão por tempo indeterminado. 


Conforme os dizeres do documento, os dirigentes azulinos se referem a Emerson Dias como “persona non grata”. Dias já intermediou jogadores para o Clube do Remo. No ano passado, o meia Magnum aterrissou no Baenão após influência de Dias. Recentemente, ele conseguiu colocar o meia André Mensalão para trabalhar a sua recuperação física. Segundo informações não oficiais, Emerson também estaria por trás da negociação frustrada de Thiago Potiguar.


O agente, por meio do seu perfil no twitter, falou sobre o assunto. “Sempre que o homem fecha uma porta, Deus abre duas. Estou aqui em Londrina e quando estiver ai (Belém), eu falo o motivo”, publicou.


(Diário do Pará)


 

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS