Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Esporte / Parazão

Parazão

Remo x Cametá: partida é importante para ambos

quarta-feira, 13/03/2013, 04:33 - Atualizado em 13/03/2013, 04:36 - Autor:


À primeira vista, Clube do Remo e Cametá poderiam fazer um jogo sem grandes pretensões. Mas, não. A partida de logo mais entre Leão e Marapá pode significar muito além dos três pontos na tabela de classificação. Uma vitória dará a famosa moral para os importantes confrontos das rodadas seguinte: para os azulinos, nada menos que uma revanche no clássico Re-Pa; já os cametaenses terão a Tuna Luso pela frente, equipe com quem briga contra o rebaixamento.


O Remo chega como favorito. Além de jogar em casa, no Estádio Baenão, vem com um time mais entrosado, mostrando novas formas de jogar. Inclusive, o técnico Flávio Araújo, pela primeira vez, deixa de lado o 3-5-2 e inicia o jogo atuando no tradicional 4-4-2. Depois de fazer um segundo tempo no novo sistema contra a Tuna, o que rendeu elogios por parte de Flávio, os apaixonados pelas cores do Leão Azul apostam em uma boa apresentação da dupla Thiago Galhardo e Clébson. Uma noite inspirada dos apoiadores azulinos pode significar bolas açucaradas para os atacantes Leandro Cearense e Fábio Paulista.


O Cametá, por seu turno, busca a reabilitação na competição. O empate nos minutos finais contra o Águia deu uma esperança de dias melhores no Parque do Bacurau. Por ironia do destino, as apostas do Mapará, entretanto, continuam sendo as mesmas. Nada menos que três ex-azulinos: o meia Vélber, o atacante Landu e o comandante da comissão técnica, não menos importante, o técnico Ferreti, lateral do Remo no início dos anos 2000.


Vélber e Landu: eles viraram rivais 


O Cametá segue para terceira rodada do Campeonato Paraense buscando a primeira vitória nesta fase da competição. Para isso terá que enfrentar o Clube do Remo, dentro do Baenão. 


A casa do Leão geralmente é um temor para os adversários que não tiveram a experiência de jogar no Evandro Almeida, mas dessa vez o Cametá conta com três figuras conhecidas do torcedor azulino. Landu e Velber entram no gramado do Baenão, mais uma vez, só que agora são adversários. No banco de reservas, o treinador Ferretti, que ocupou a lateral direita azulina em 2001, volta a Belém, dessa vez para tentar desbancar clube que uma vez defendeu.


Ferreti escalou os dois ex-azulinos, em um time que não muda muito em relação ao que empatou com o Águia na segunda rodada. A única novidade é a entrada de Vélber no lugar de Tetê. Mas o esquema não é definitivo. “Nós realizamos diversos trabalhos durante a semana e temos várias opções para utilizar de modo que possamos surpreender o adversário”, declarou o treinador do Mapará.


Sobre a pressão de jogar no Baenão, Ferreti mostrou confiança no grupo que comanda e acredita que o Cametá possa conseguir um bom resultado. “O elenco é maduro, com jogadores experientes, que sabem jogar fora de casa e não deixam a torcida influenciar. Somos os atuais campeões, temos que conseguir vitórias”, concluiu.


Clébson terá que arrumar o meio-campo azulino 


Regularidade. É isso que técnico Flávio Araújo quer ver no seu time a partir de hoje. Coincidência ou não, pela primeira vez no campeonato, o Clube do Remo entra em campo no esquema 4-4-2. No último treino de ontem, o treinador armou a equipe o tempo todo no novo sistema.


Com isso, duas novidades apareceram no time titular. O lateral-direito Rodrigo Guerra, que no último jogo contra Tuna Luso não foi relacionado, apareceu na lateral; o meia Clébson parece que ganha a sua vaga. Ontem, ele formou dupla no meio de campo com Thiago Galhardo. A outra novidade em relação à equipe enfrentou a Tuna, foi o retorno do atacante Fábio Paulista. O treinador chegou a experimentar Val Barreto e Leandro Cearense diante da Águia, mas parece não ter gostado. Val Barreto vai para a reserva.


“É o time mais provável, o mais certo para entrar. Nós procuramos fazer mudanças na equipe, sempre no sentido e no objetivo de melhorar e acertar”, explicou Flávio, prosseguindo. “Já estamos a tempo jogando e temos que alcançar uma regularidade, fazer um bom jogo nos dois tempos. Então, os desafios diante do Cametá, são dois: fazer um bom jogo no geral e vencer esse difícil desafio contra a equipe forte deles”, revelou.


A única ausência na onzena é a do zagueiro Carlinho Rech. Ele foi o único, dos seis titulares pendurados com dois cartões amarelos, poupado. “Ele é defensor, então tem muito mais possibilidade (de tomar o terceiro amarelo), já que zagueiro está o tempo inteiro em contato com atacante. Mas, ele volta domingo contra o Paysandu”, justificou Araújo. O 4-4-2 adotado pelo técnico Flávio Araújo e a ausência do zagueiro Carlinho Rech, faz o meia Clebson entrar no time titular na vaga do defensor. Em tese, o time fica mais ofensivo. 


Flávio diz que confia na entrada do jogador, mesmo ele tendo treinado uma vez com o grupo, além do segundo tempo contra a Tuna. “O Clébson já conhece a nossa maneira de jogar, já trabalhou conosco. Fez um bom segundo tempo (contra a Tuna). A gente ganha em termos de compactação, porque agora são quatro jogadores no meio campo”, acredita Flávio, ressaltando, porém. “A gente vai perder um pouco de espaço nas laterais. Esse trabalho de ocupar bem os espaços nós vamos sentir um pouco”, completou.


Clébson diz que já viu qualidades em alguns jogadores, como a força física de Val Barreto e o estilo do seu companheiro de meio de campo, Galhardo. “Jogar junto com ele foi bom, ele tem qualidade. O Remo só tem a ganhar com os dois juntos. O ruim foi o pouco tempo para treinar, já que é um jogo em cima do outro”, afirma.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS