Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Esporte / Parazão

Parazão

Final do Parazão pode ter árbitro de fora do Pará

sexta-feira, 15/02/2013, 16:42 - Atualizado em 15/02/2013, 17:12 - Autor:


Os problemas com as arbitragens são constantes no Campeonato Paraense. Os dirigentes dos clubes criticam a arbitragem local, e o pós jogos já rendeu até brigas sobre essa questão. Esse é um dos assuntos que já preocupam os times para os jogos de ida e de volta da final do primeiro turno da competição.


Caso o Clube do Remo vá para a final, Zeca Pirão, vice-presidente do time, já anunciou que vai pedir arbitragem nacional. "Vamos mandar hoje (15) a tarde um ofício para a Federação pedindo arbitragem de fora", contou.


José Guilhermino de Abreu, presidente da comissão de arbitragem da Federação Paraense de Futebol (FPF), disse que é precipitado o pedido de qualquer time neste momento, já que a competição ainda está na semifinal e os confrontos das finais ainda não estão decididos. "Nesta sexta-feira (15), sai à lista das arbitragens para os dois jogos do fim de semana e já tem gente pensando na final, não precisa se apavorar", disse Abreu.


O regulamento do Parazão diz que é possível que árbitros de fora do Estado apitem os jogos da competição, mas, para isso, os dois times precisam solicitar perante a FPF. Em caso de apenas um time fazer isso, vai para sorteio a solicitação. "Os times finalistas têm até quarta-feira (20) para mandar ofício para Federação solicitando arbitragem de fora", finalizou.


Toda a equipe de arbitragem local custa R$ 4800 para cada jogo, esse valor sai do bolso da FPF. A arbitragem é composta de um árbitro principal, dois assistentes, um quarto árbitro e um assessor de arbitragem. Caso um árbitro de fora seja convocado, ele receberá sozinho o valor pago para toda a equipe de árbitros paraenses.


Se na final ocorrer a solicitação da equipe de arbitragem de fora, vem para o jogo apenas o árbitro principal e os dois assistentes, os demais ficam sendo profissionais locais, mas que recebem remuneração com valores nacionais. O total a ser pago sai do bolso do mandante do campo e varia entre R$ 20.000 a R$ 22.000, que precisa ser depositado na tesouraria da FPF 48 horas antes da partida.


(Bruna Dias/DOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS