Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Esporte / Mundo

CRIME

"Sou negro", reconhece Neymar, que fala em pacificar protestos contra racismo

O brasileiro participou de confusão durante o clássico contra o Olympique de Marselha no Campeonato Francês e foi expulso

segunda-feira, 14/09/2020, 20:50 - Atualizado em 14/09/2020, 20:57 - Autor: FOLHAPRESS


| Reprodução/Instagram

Em texto publicado em sua conta no Instagram nesta segunda-feira (14), Neymar diz que aceitará a punição que poderá receber por ter reagido com um tapa às ofensas do zagueiro espanhol Álvaro Gonzalez, mas que espera que o rival também seja punido.

O atacante do Paris Saint-Germain foi expulso neste domingo (13), em partida contra o Olympique de Marselha pelo Campeonato Francês, por dar um tapa na cabeça de Gonzalez. Ele afirma que antes disso o espanhol o chamou de "mono hijo de puta" (macaco filho da puta). O zagueiro nega a ofensa racista.

"Preconceito e intolerância são inaceitáveis. Eu sou negro. Filho de negro. Neto e bisneto de negro. Tenho orgulho e não me vejo diferente de ninguém. Ontem eu queria que os responsáveis pelo jogo (árbitro, auxiliares) se posicionassem de modo imparcial e entendessem que não cabe tal atitude preconceituosa", escreveu Neymar.

"Deveria ter ignorado? Não sei ainda... Hoje com a cabeça fria respondo que sim, mas oportunamente eu e meus companheiros pedimos ajuda aos árbitros e fomos ignorados. Esse é o ponto!", completou.

Neymar dá tapa em jogador que o chamou de macaco. Assista

Gonzáles posta fotos com negros e manda indireta a Neymar

No fim do texto, o atacante brasileiro também pediu a pacificação dos protestos contra o racismo ao redor do mundo, sem detalhar esse ponto.

"Estar no centro dessa situação ou ignorar um ato racista não vai ajudar, eu sei. Mas pacificar esse movimento 'antirracismo' é obrigação nossa para que o menos privilegiado receba naturalmente sua defesa."

O PSG emitiu nesta segunda-feira uma nota de apoio ao brasileiro.

"O Paris Saint-Germain apoia fortemente Neymar, que relatou ter sido vítima de insultos racistas de um jogador rival [...] O Paris Saint-Germain conta com a comissão disciplinar da LFP (liga de futebol profissional francesa) para investigar e lançar luz sobre esses eventos", diz o comunicado.

Durante o jogo, antes mesmo da agressão, Neymar havia avisado ao árbitro sobre a possível ofensa de Gonzalez e esbravejou: "racismo, não!".

O clube de Marselha venceu por 1 a 0, em partida de cinco expulsões. Além de Neymar, Kurzawa e Paredes receberam cartão vermelho pelo PSG. Benedetto e Amavi tiveram a mesma punição pelo Olympique.

Em casos de racismo, se comprovado, o jogador pode ser suspenso por até 10 partidas. Pelo tapa, o gancho de Neymar pode chegar a sete partidas. O assunto será analisado por uma comissão independente da LFP, e a decisão poderá ser anunciada na quarta (16), mesmo dia em que o PSG volta a campo para enfrentar o Metz, pela liga nacional.

Veja o post de Neymar na íntegra:

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS