Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$

Esporte / Mundo

EFEITO COVID-19

Prejuízo milionário pode afetar clubes da NFL 

quarta-feira, 20/05/2020, 18:08 - Atualizado em 20/05/2020, 18:08 - Autor: FOLHAPRESS


As equipes da NFL, a liga profissional de futebol americano, podem perder uma receita de aproximadamente US$ 5,5 bilhões (R$ 31,3 bilhões) se as partidas da temporada 2020/21 acontecerem sem público. A estimativa foi feita pela revista Forbes.

Segundo a publicação, que todos os anos avalia o valor de mercado de cada uma das 32 franquias do torneio, a pandemia da Covid-19 pode tirar da liga 38% da sua arrecadação, entre venda de ingressos, estacionamento, patrocinadores, venda de produtos licenciados e comidas e bebidas consumidas em dias de jogos.

No início do mês, a NFL divulgou a tabela para a competição, até o momento prevista para começar em 10 de setembro com a visita do Houston Texas ao Kansas City Chiefs, atual campeão.

Não há uma definição de quando ou se o público poderá ir ao estádio ver os jogos. O presidente americano, Donald Trump, já disse acreditar que isso acontecerá logo, mas não há base científica para a afirmação.

Os jogadores também deverão perder dinheiro. Pelo acordo dos donos das equipes com o sindicato dos atletas, estes têm direito a 47% de tudo o que é arrecadado pelas franquias em atividades relacionadas ao campeonato da NFL.

A maior perda será do Dallas Cowboys, a marca esportiva mais valiosa do mundo, segundo a Forbes, avaliado em US$ 5 bilhões (R$ 28,5 bilhões). A diminuição de receita dos texanos seria de US$ 621 milhões (R$ 3,5 bilhões).

Em seguida vem o New England Patriots, com perda estimada de US$ 315 milhões (R$ 1,8 bilhão). A equipe também sofrerá na próxima temporada com a ausência do astro Tom Brady. O quarterback deixou a equipe de Massachusetts após 20 temporadas e 6 títulos conquistados.

Maior vencedor da história do Super Bowl, o atleta de 42 anos defenderá o Tampa Bay Buccaneers, equipe da Flórida, a partir de setembro.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS