Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Esporte / Mundo

POR PANDEMIA

Comitê Olímpico do Brasil defende adiar Olimpíadas de Tóquio

domingo, 22/03/2020, 07:23 - Atualizado em 22/03/2020, 08:40 - Autor: FOLHAPRESS


Por enquanto, os Jogos de Tóquio estão mantidos, apesar da pandemia dificultar a preparação dos atletas que deverão disputar o evento marcado para começar em 24 de julho no Japão.
Por enquanto, os Jogos de Tóquio estão mantidos, apesar da pandemia dificultar a preparação dos atletas que deverão disputar o evento marcado para começar em 24 de julho no Japão. | Divulgação

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) passou a defender, na manhã deste sábado (21), que os Jogos Olímpicos de Tóquio sejam adiados por um ano. “A posição do COB se dá por conta do notório agravamento da pandemia da Covid-19, que já infectou 250 mil pessoas em todo o mundo, e pela consequente dificuldade dos atletas de manterem seu melhor nível competitivo pela necessidade de paralisação dos treinos e competições em escala global”, diz a nota oficial da entidade.

No fim da tarde de sexta, o comitê já havia manifestado sua preocupação com a doença e a dificuldade que atletas estão enfrentando para se “prepararem da melhor forma” para os Jogos, conforme recomendação dada pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) e seu presidente, Thomas Bach, na última quarta (18).

A entidade máxima do esporte olímpico defende que ainda é cedo para tomar o que chamou de “medidas drásticas” e por enquanto sustenta que a Olimpíada do Japão terá sua cerimônia de abertura no dia 24 de julho.

“Como judoca e ex-técnico da modalidade, aprendi que o sonho de todo atleta é disputar os Jogos Olímpicos em suas melhores condições. Está claro que, neste momento, manter os Jogos para este ano impedirá que esse sonho seja realizado em sua plenitude”, afirma o presidente do COB, Paulo Wanderley.

DIPLOMACIA

O COB adota um tom diplomático para manifestar sua discordância com relação à posição do COI neste momento e “ressalta que a sugestão de adiamento em nada altera a confiança da entidade no Comitê Olímpico Internacional”.

“O COI já passou por problemas imensos anteriormente, como nos episódios que culminaram no cancelamento dos Jogos de 1916, 1940 e 1944, por conta das Guerras Mundiais, e nos boicotes de Moscou-1980 e Los Angeles-1984”, diz Paulo Wanderley. “Tenho certeza de que o Thomas Bach, atleta medalha de ouro em Montreal 1976, está plenamente preparado para nos liderar neste momento de dificuldade.”

Na sexta, em entrevista à Folha, o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Mizael Conrado, já havia defendido o adiamento por um ano dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio.

Entidades internacionais, como os comitês olímpicos da Espanha e da Noruega, assim como a USA Swimming (federação de natação dos EUA), também já se manifestaram oficialmente pelo adiamento.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS