Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$
HISTÓRIA

De goleada a acesso: conheça o meia revelação do Tapajós

Meia Adauto foi um dos destaques do Tapajós durante o Campeonato Paraense de 2021

sexta-feira, 30/04/2021, 16:41 - Atualizado em 30/04/2021, 17:15 - Autor: Tati Dias


Adauto em partida pelo Imperatriz contra o São José
Adauto em partida pelo Imperatriz contra o São José | Antonio Pinheiro Silva / Colaboração

Dentre os muitos sonhos de garotos brasileiros, de certo, ser jogador de futebol ainda é um dos postos mais cobiçados. E, para um paraense da cidade de Castanhal, na região nordeste do Estado, não foi diferente.

Tapajós vence e rebaixa Gavião para Segundinha

Adauto Júnior, o irmão do meio de três filhos, hoje com 26 anos, já acumula uma vasta lista de clubes por onde passou. Não esperava, ele, que chegaria a jogar em times de futebol fora do Pará, após a infância repleta de dificuldades vivenciada no município de São Caetano de Odivelas, nordeste do Estado, onde passou a maior parte de sua infância.

“A minha vida sempre foi com uma certa dificuldade para conseguir algo. Eu sonhava em, um dia, estar em um time grande, mas não imaginava que chegaria tão perto de uma Série B, por exemplo, como cheguei com o Cuiabá e um acesso com o Imperatriz”, revelou o jogador, que atuou em 2018 pelo Cuiabá-MT, equipe que na época disputou a Série C do Brasileirão.

O meia relembra seus primeiros passos com a bola nos pés: foi no bairro do 40 horas, em Ananindeua, que jogou em uma equipe amadora. Naquele tempo, levou sua equipe até a final, em um campeonato regional. O rival era o Paysandu. Na partida decisiva, viu seu time ser goleado por 8 a 0 pelo tradicional clube paraense. Adauto não imaginava que o clube goleador seria sua casa futuramente.

 Antes de chegar ao Paysandu, fez uma breve passagem pelo Castanhal. Em solo bicolor, onde ficou por 2 anos, chegou a disputar a Copa São Paulo e o Campeonato Paraense Sub-17.

Seu primeiro contrato foi firmado com o Vila Rica, time da segunda divisão do Campeonato Paraense em 2016. Rapidamente, alcançou voos maiores. Partiu para o Distrito Federal, onde foi disputar a primeira divisão do Campeonato Brasiliense pela Taguatinga. Foram 11 jogos como titular e 4 gols marcados.

Em 2017, no Imperatriz-MA, clube que lembra com carinho como ponto de partida da  sua trajetória profissional,  foi treinado pelo técnico Sinomar Naves. No Cavalo de aço, acumulou uma classificação para a Série D e um acesso para a Série C, além de um título de campeão maranhense. “Posso dizer que no Imperatriz foi onde realmente começou a minha trajetória como jogador profissional e de uma trajetória vitoriosa”, disse o meia.

 

Adauto em partida pelo Imperatriz contra o São José
Adauto em partida pelo Imperatriz contra o São José Antonio Pinheiro Silva / Colaboração
 

Foi emprestado ao Boa Esporte – MG, em seguida para o Cuiabá, até retornar para o Imperatriz, onde finalizou seu contrato com a equipe maranhense. Antes de retornar ao Pará, ainda atuou em solo paraibano pelo Treze-PB.

RETORNO AO PARÁ

Em 2019, firmou contrato com o Carajás e disputou a segunda divisão do Parazão. Levou o time à final contra o Parauapebas, em uma emocionante partida que terminou em 5 a 3 e garantiu o acesso do Pica-Pau à elite do Campeonato Paraense.

Relembre:

No ano passado, antes de atuar pelo Tapajós – seu último clube – viajou até a Bahia e jogou pelo Guarany de Juazeiro. Marcou 1 gol em 9 partidas disputadas.

TRAJETÓRIA NO BOTO

Contratado como uma das promessas do Tapajós para disputar o Parazão deste ano, Adauto foi um dos destaques da equipe. Considerado um jogador bastante regular em campo, atuou em 7 partidas pelo Boto e manteve garantida a vaga da sua equipe para a disputa do regional do ano que vem.

 

Em 2021 pelo Tapajós
Em 2021 pelo Tapajós Arquivo pessoal
 

O saldo dele, até o momento, é de uma vitória, 4 empates e 3 derrotas pelo Parazão. Na última partida contra o Gavião Kiykatejê, Adauto foi vetado por ter testado positivo para a Covid-19. “Graças a Deus deu certo, eu pude fazer um bom trabalho no Tapajós, e, por esse bom trabalh, fui bem visto pelas pessoas”, finalizou.

Hoje, está com destino incerto no Boto, pois seu contrato terminou com o fim da competição. Mas o paraense de Castanhal - que nem imaginava as vitórias que alcançaria com aquele sonho de infância - agora é cobiçado por grandes equipes do Estado.   

PREMIAÇÃO

Ainda pela sua atuação no Boto, Adauto foi o meia-atacante mais votado, até o momento, para o Troféu Camisa 13. A primeira parcial com os nomes dos mais cotados a levar o mais tradicional troféu para casa saiu na última terça-feira (27). Adauto recebeu 269 votos.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS