Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Esporte / Esporte Pará

SEM DESCANSO

Ordem no Papão é focar para subir na tabela da Série C

quarta-feira, 09/09/2020, 11:22 - Atualizado em 09/09/2020, 11:21 - Autor: Tylon Maués


| DOL

Dos objetivos do ano do Paysandu, um já foi conquistado. O Campeonato Paraense, ganho no último domingo, sobre o maior rival, teve a importância de dar a um elenco quase todo junto desde o ano passado uma conquista. Mas, dentre as prioridades da temporada, o Parazão está um degrau abaixo de um acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro, o que significaria um salto em ganhos financeiro e esportivo para o clube. Hoje, sem tempo para descanso e comemoração, o time volta a campo pela Série C para enfrentar a Jacuipense-BA, às 20h, na Curuzu.

A partida de logo mais marca a primeira de duas seguidas dentro de casa, o que é encarado dentro do clube como a chance de conquistar duas vitórias e chegar à parte de cima na tabela de classificação. O confronto contra a equipe baiana ainda é válido pela quinta rodada, cujos jogos de Papão e Leão Azul foram adiados por conta da competição estadual.

A equipe que enfrentou o maior rival domingo deve ter alterações para logo mais. Duas delas são dadas como certas. Contratados para a Série C, o volante Wellington Reis e o meia Juninho ficaram treinando enquanto havia a decisão e estão bem melhores fisicamente nesse momento, sendo cotados para iniciarem o confronto de logo mais. Nas demais posições somente o técnico Hélio dos Anjos é quem pode falar.

Comandante bicolor deve fazer alterações na equipe, hoje, contra a Jacuipense
Comandante bicolor deve fazer alterações na equipe, hoje, contra a Jacuipense Jorge Luiz/Paysandu
 

Outro desafio a encarar não é dos mais fáceis, mas pelo menos não chega a ser uma novidade. Com o futebol sendo jogado sem a presença da torcida devido a pandemia de Covid-19, os estádios vêm sendo testemunhas de partidas sem a presença da torcida. O “novo normal” diminui a vantagem dos times mandantes apenas ao tangível, como o fato de conhecer melhor o campo e suas referências, mas a força da torcida para empurrar para frente ficou para o futuro.

“Sabemos que esses jogos sem torcida dão certa neutralidade, com certeza. Eu já enfrentei o Paysandu com a casa lotada e sei o quanto é difícil”, diz o zagueiro Micael. O capitão bicolor ressalta a falta que os torcedores fazem e a necessidade de os jogadores encararem essa dificuldade para chegarem aos seus objetivos. “Nós sentimos falta do torcedor, do incentivo e de comemorar juntos. É uma energia muito forte. Mas temos que passar por cima disso. Se não é possível ter o torcedor ao nosso lado, temos que fazer a diferença de outra forma”.

Curiosamente, chegou-se a cogitar dentro do clube a possibilidade de levar o jogo de hoje para o Mangueirão por causa da qualidade do gramado, o que não foi possível. “O gramado do Mangueirão está melhor e mais fácil de jogar, mas aqui é nossa casa e podemos fazer nosso papel bom aqui”, confirmou Vinícius Leite.

DIZ AÍ, TREINADOR

- A entrevista coletiva do técnico Hélio dos Anjos, ontem à tarde na Curuzu, parecia mais um desabafo. Passadas duas batalhas em dois clássicos seguidos para decidir o Campeonato Paraense, ele e a comissão técnica têm que juntar os cacos do desgaste físicos de seus atletas. Em certo momento, ele admitiu que não sabia ainda quem escalaria no dia seguinte pela Série C.

- “Estou sem condições nenhuma de definir minha equipe agora. Tenho a avaliação física dos que participaram dos jogos e ainda espero pela avaliação médica. Depois é que vou ter uma proposta de escalação”, confirmou o treinador. “É impossível repetir a mesma equipe. Isso me preocupa porque é uma característica nossa, mas não será possível, infelizmente”, completou Hélio dos Anjos.

- O confronto com a Jacuipense será o primeiro dos dois seguidos na Curuzu e a obrigação de vencer esbarra nas dificuldades impostas pelas circunstâncias e pelo adversário. O Paysandu ocupa a parte de baixo da tabela e precisa desses seis pontos para ficar numa situação mais confortável. “Sabemos que esses seis pontos dentro de casa em nosso atual momento na Série C são fundamentais para estabilizar a equipe entre os primeiros colocados. Nossa responsabilidade é sempre ganhar e, a partir de agora, pensar somente no acesso para a Série B”.

 


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS