Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Esporte / Esporte Pará

ONDE OS FRACOS NÃO TÊM VEZ

Chegou o dia! Remo e Paysandu disputam a grande final do Parazão

domingo, 06/09/2020, 08:40 - Atualizado em 06/09/2020, 11:09 - Autor: Tylon Maués e Matheus Miranda


| Ascom/ PSC e Ascom/CR

Num ano atípico, finalmente chega ao fim hoje o Campeonato Paraense de 2020. Nada atípico são os dois finalistas, Paysandu e Clube do Remo. Mas quem levantar a taça hoje vai ter uma festa nada usual, pois o maior personagem do futebol paraense, o torcedor, estará bem longe, em casa ou em qualquer lugar que possa assistir a decisão pela TV ou ouvir pelo rádio.

Por ter vencido na última quarta-feira por 2 a 1 o Papão tem a vantagem do empate para ficar com o título. Para comemorar logo após o apito final, o Leão Azul tem que vencer por dois ou mais gols de diferença. Uma vitória por apenas um gol, seja qual for o placar, e o campeão estadual será conhecido nas cobranças de tiros livres diretos. A partida começa às 17h, no Mangueirão.

O jogo do meio de semana deixou uma impressão muito boa de um lado da Almirante Barroso e, do outro, uma enxurrada de críticas. Obviamente a Curuzu viveu dias de céu de brigadeiro até hoje, com tranquilidade para se trabalhar e com Hélio dos Anjos sendo poupado das críticas dos últimos dias para poder escolher seus onze titulares.

O treinador bicolor não deu brechas para saber se o time terá mudanças, mesmo com Paysandu tendo melhorado e chegado à vitória com jogadores que saíram do banco de reservas. O que ele fez questão de ressaltar nesses dias é que não há sinal algum de empolgação.

“Vamos buscar o melhor dentro da partida, não quero entrar em campo usando o regulamento desde o primeiro minuto, não é a minha característica de jogo. Espero que tenhamos o equilíbrio necessário para enfrentar a empolgação, que em um momento como esse não é nada boa”, disse Hélio dos Anjos.

No Baenão, os dias foram de mar agitado e nuvens sombrias. Mais do que a derrota, o time perdeu seu principal jogador. O meia Eduardo Ramos sofreu uma lesão muscular e ficará longe dos gramados pelo menos três semanas. Se do lado bicolor o time titular é uma incógnita, do lado azulino é quase um segredo. Não se sabe quais serão as mudanças, apenas que elas serão feitas e possivelmente numa quantidade substancial. O que Mazola Júnior deixou bem claro desde o fim do jogo do meio de semana é que o Leão será diferente em todos os aspectos para tentar o tricampeonato, algo que ninguém conseguiu no século XXI.

“Devemos ter alterações, principalmente, pelo estado físico. No jogo passado tivemos uma desconcentração que acabou nos custando uma derrota muito amarga, mas ao contrário do que os pessimistas pensam, a derrota vai nos deixar mordidos. A final ainda não acabou”. Façam suas apostas!

CHEGA DE RETRANCA

Para alcançar o tricampeonato estadual e encerrar de uma vez por todas o clima pesado que paira no Evandro Almeida, o Clube do Remo precisa vencer o maior rival, nesta tarde, caso contrário todo o retrospecto positivo e de invencibilidade até o começo da semana passada deve entrar no esquecimento e conturbar o ambiente azulino.

Somente um fator pode fazer com que o Leão Azul volte a triunfar: ofensividade. Desse modo, a formação da equipe, que deve sofrer alterações já que o meia-armador Eduardo Ramos está fora do confronto por lesão, passa até ao plano secundário, visto que o determinante será em cima da reação tática, repassada pela comissão técnica, na tentativa de reverter o prejuízo que foi a derrota por 2 a 1, na quarta-feira (2) passada.

No grosso, a equipe não deve sofrer alterações. A dupla de zaga e nas laterais deve ser mantida, com Fredson e Rafael Jansen apoiados por Everton Castro e Marlon. O mesmo deve ocorrer no setor ofensivo, com Gustavo Ermel e Tcharlles pelas beiradas. A grande dúvida centraliza-se no meio-campo. A saída de Eduardo Ramos foi confirmada na quinta-feira (3) pelo departamento médico. O meia sofreu uma contusão grau 2 na posterior da coxa esquerda, no decorrer do primeiro Re-Pa da final.

Com base na mudança imediata efetuada por Mazola Júnior, Douglas Packer deve preencher a vaga do camisa 10. Apesar dos dois jogadores serem meia de criação, Packer atua mais recuado, visto que Eduardo Ramos vinha exercendo o papel de um atacante mais centralizado do que propriamente um criador. Carlos Alberto e Robinho, mais ágeis na transição, também brigam pela vaga para composição na onzena titular.

A escolha de Mazola Júnior será essencial para que o time jogue solto e apresente a ousadia que está em falta para que o Remo construa bons resultados. Nesse aspecto, os demais jogadores na meiúca reiteraram compromisso para que o time possa fazer por merecer a vitória, o título e a confiança do torcedor. “A atitude tem que ser ofensiva e isso compete aos jogadores dentro de campo. Temos que ter a postura pra fazer gols. Estamos com o pensamento de virar o jogo e conquistar o título”, ponderou o volante Lucas Siqueira. (Matheus Miranda)

PREDESTINADO PODE RESOLVER PARA O PAPÃO?

Com que time eu vou? Apesar da vantagem e do retrospecto, as chances de alterações no time titular do Paysandu são enormes. Poucas vezes o time titular bicolor foi o mesmo de um jogo para o outro, seja por suspensão, lesão ou critério técnico. Para hoje, ninguém está lesionado ou teve problemas com cartões.

Na defesa e no ataque tudo parece estar bem definido, mas no meio de campo a rotatividade tem sido das mais altas, em especial no setor de criação. Quarta-feira foi Alan Calbergue quem começou a partida e Luiz Felipe quem terminou. Alex Maranhão, Serginho, Victor Diniz, dentre outros, já tiveram suas chances. Em tempo, o recém-contratado Juninho não foi inscrito na competição estadual.

Mas o ataque também pode ter mudanças. Matheus Fernandes não esteve em seus melhores dias no meio de semana e seu substituto foi decisivo. O centroavante Uilliam Barros entrou para fazer o primeiro dos dois gols do Papão. Uma possível presença dele entre os que iniciam a partida logo mais não chegaria a ser uma surpresa.

Para o atacante, autor de três gols em clássicos, o fato de quase todo mundo estar tendo oportunidades desde o início da temporada faz com que a motivação dentro do elenco esteja sempre em alta com a possibilidade de uma chance ser dada. “O treinador tem dado oportunidades a todos, por isso aqui tem que estar bem preparado porque as chances aparecem”, afirmou Uilliam.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS