Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Esporte / Esporte Pará

PROTOCOLO

FPF cria comissão de segurança durante pandemia

terça-feira, 19/05/2020, 13:58 - Atualizado em 19/05/2020, 12:57 - Autor: Tylon Maués/ Diário do Pará


O árbitro paraense Dewson Freitas também faz parte da comissão
O árbitro paraense Dewson Freitas também faz parte da comissão | Divulgação/ Site CBF

A Federação Paraense de Futebol (FPF) confirmou ontem a criação de uma Comissão de Segurança no Combate à Covid-19. O grupo de trabalho tem como missão montar um protocolo a ser seguido quando do retorno do futebol no Pará. Ele é formado por representantes da FPF, dos jogadores, dos árbitros e, principalmente, por profissionais da área da saúde. O protocolo deve seguir modelos de outras federações e de outros países.

A comissão é coordenada por Paulo Romano, vice-presidente da entidade; Cláudio Santos, diretor de segurança e logística da FPF; os médicos José Guataçara (presidente da comissão), Nagib Abdon (infectologista), Edilson Ferreira (Paysandu) e Jean Klay (Remo); o fisioterapeuta Eric Nascimento; Dewson Freitas da Silva, do sindicato dos árbitros; Oberdan Bendelac, do sindicato dos jogadores; Gesiel Lopes, da Aclep; Gustavo Ramos Melo, educador físico; e Hilbert do Nascimento, presidente da Funtelpa.

“A comissão foi formada, mas ainda não tivemos reuniões. O que posso falar é que usaremos como base os protocolos que já têm no Brasil e no mundo inteiro, adaptados à nossa realidade estadual e a partir traçar um retorno dos jogos”, observou Jean Klay, diretor do departamento médico do Leão Azul. “Quem define o tempo de retorno são as autoridades de saúde. A partir do momento em que for liberado, a gente volta. Cabe à nós preparar esse protocolo com maior segurança possível a todos os envolvidos”, completou o médico. 

O protocolo terá orientações destinadas a garantir a saúde e segurança dos envolvidos nos jogos de futebol: jogadores, comissões técnicas, árbitros, funcionários dos estádios, imprensa, segurança, e demais pessoas envolvidas na realização de partidas no estado.

O modelo elaborado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tem servido de base às demais federações, com a devida atenção às questões sócio-econômicas e de infraestrutura específicas de cada região. Entre as medidas que devem ser tomadas, estão a limitação de pessoas por vestiário, medição de temperatura de todos que estiverem no estádio e aquisição de testes rápidos para detectar a Covid-19. Todos os atletas passariam por testes 48 horas antes dos jogos.

Isso sem falar que as partidas continuariam com portões fechados, sem a presença da torcida. Uma equipe entraria antes da outra e, após o intervalo, a ordem de entrada seria inverteria. As escalas de arbitragem serão todas regionais para evitar viagens mais longas. O VAR não ficará no estádio, com o árbitro de vídeo ficando em uma base remota. A imprensa terá acesso reduzido, com apenas funções básicas de transmissões tendo acesso aos estádios.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS