Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Esporte / Esporte Pará

COPA VERDE

Meta do Leão é colocar de férias o rival

quinta-feira, 03/10/2019, 08:41 - Atualizado em 03/10/2019, 08:41 - Autor: Matheus Miranda/Diário do Pará


Marcão projeta vitória no embate de domingo até chegar ao título da Copa Verde
Marcão projeta vitória no embate de domingo até chegar ao título da Copa Verde | Maycon Nunes/Arquivo

O antigo treinador do Clube do Remo, Márcio Fernandes, responsável, em parte, pela identidade atual da equipe, que tenta ser mais ofensiva agora sob o comando de Eudes Pedro, enfatizou em certo momento “para nunca se duvidar do poder de um Leão, pois sempre estava preparado para provar que é o Rei da selva”.

A frase motivacional calhava em períodos delicados em que o time, coincidentemente, correspondia em campo. Embora ausente, o espírito aguerrido do ex-treinador ainda se faz presente no meio do elenco remista que, através do zagueiro Marcão, foi firme ao definir a situação do último clássico Re-Pa oficial desta temporada, marcado para domingo (6), no Mangueirão, pelo encontro decisivo válido pela semifinal da Copa Verde.

“Agora, tem que ser a vez do Leão. Esse ano, eles (Paysandu) vão entrar de férias primeiro que a gente. Vamos sair com a vitória, ir à final da Copa Verde e, se Deus quiser, ser campeão”, declarou o defensor.

Sem firulas nas palavras, Marcão, que tem sido destaque no setor defensivo do time, bem como no ataque, onde foi artilheiro pela Série C do Remo, já adiantou que está sedento pelo triunfo diante do arquirrival. De maneira mais moderada, porém, o profissional reiterou o argumento. “Sempre é importante a vitória em cima do maior rival. É um dos maiores clássicos do mundo, como todos falam. Esse clássico sai no Brasil inteiro. Ainda mais que não ganhamos nenhum no ano. Para nós isso e muito importante”, explicou.

OFENSIVIDADE

Assim como os companheiros, Marcão aponta o time mais ofensivo como provável ponto de desequilíbrio para vencer o Re-Pa. Jogar assim é determinante até pelo fato do Remo precisar marcar gols, já que em caso de um novo resultado igual, a disputa será decidida nos pênaltis. Na expectativa de ajudar o time, no mesmo embalo, o jogador garantiu que vai fazer o possível para evitar tomar gols. “É o nosso ponto mais forte. É a defesa. Não por ser zagueiro, mas é o que viemos demonstrando dentro de campo. Desde a Série C, uma defesa bem sólida. Acho que tomei 2 gols em 4 clássicos Re-Pa. A nossa defesa é bem sólida”, assegura.

DUPLA DE ZAGA

No processo de transição, a presença de Fredson ainda não é totalmente certa para o jogo deste final de semana. Por isso, é provável que Mimica faça dupla com Marcão. Para o jogador que aguarda por seu parceiro no setor, quem for escalado terá o mesmo objetivo em comum. “Com Fredson ou com Mimica, vamos estar preparados. O Mimica é um zagueiro muito experiente, é ídolo aqui e trabalha todos os dias, como eu, Fredson e o Cris também. Quem entrar, vai para ganhar”, destacou.

Vitória é o único resultado admitido no domingo

Para não encerrar o calendário desta temporada neste final de semana, no clássico deste domingo, só a vitória se faz necessária para que o Clube do Remo torne a disputar uma final regional após quatro anos e, assim, possa finalizar a sua temporada, na busca pelo título inédito da Copa Verde.

Mas, para isso, o Leão precisará despachar o maior rival no Re-Pa, algo que ainda não aconteceu este ano. Dessa maneira, o desenrolar dos 90 minutos será tudo ou nada para os azulinos. “A gente sabe que tem qualidade e que é capaz de fazer a nossa parte. Temos que estar preparados para ficar um passo à frente, porque vamos enfrentar um grande rival. Depende de nós mesmos encontrar o melhor caminho para que possamos vencer e disputar uma final importante nesse final de ano”, disse o volante Yuri, que na somatória das duas passagens pelo Baenão, ainda não conseguiu triunfar no maior clássico da Amazônia.

O companheiro de posição, Ramires, divide do mesmo ímpeto de Yuri. “Incomoda, claro. Conseguimos fazer até bons jogos, mas o resultado não veio. O grupo está fechado, unido para que, dessa vez, as coisas possam ser positivas para o nosso lado”, pontuou.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS