Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Esporte / Esporte Pará

CONTAGEM INCÔMODA

Remo contabiliza sua quarta partida seguida sem saber o que é vencer

segunda-feira, 08/07/2019, 07:12 - Atualizado em 08/07/2019, 07:13 - Autor: Matheus Miranda de Oliveira


O encerramento da 11ª rodada da Série C para o Clube do Remo, em tese, teve lado bom e ruim. De positivo, os azulinos retornaram para a terceira colocação e somente a dois pontos do primeiro colocado, que ainda é o Juventude: o Leão com 17 pontos e os gaúchos com 19. Em certo ponto, a manutenção no G4 é importante para a ambição da equipe, que é a classificação ao mata-mata, já que a competição segue na reta final da fase de grupos. O fator negativo, no entanto, é estadia na zona de acesso cada vez mais ameaçada pelo crescimento dos adversários, que diminuíram para apenas um ponto a diferença na tabela, enquanto que os azulinos exibem mais do mesmo, conforme foi a apresentação diante do líder, no empate em 0 a 0 com o Juventude.

A comissão técnica, mesmo com mistério, levou ao Mangueirão, no sábado (6), a escalação que era prevista, com a manutenção de Alex Sandro e a entrada de Marcão Santana na referência do ataque e Eduardo Ramos na articulação. Acontece que as limitações do time, novamente, tomaram conta da situação, como a falta de precisão no arremate e de qualidade na criação, sobretudo no primeiro tempo, em que o Juventude tomou conta das iniciativas e chances reais de abrir o placar. Na etapa complementar, os azulinos conseguiram equilibrar a situação já que o adversário claramente optou pelo empate, resultado que o manteria no topo.

SECA

O 0 a 0 no final de semana somou a quarta partida seguida do Clube do Remo sem saber o que é vitória (antes, duas derrotas e dois empates). Em retrospecto recente, o Leão, ao lado do lanterna Atlético-AC, é a única equipe que não anotou nenhum triunfo durante os três compromissos anteriores pelo seu chaveamento no campeonato.

O momento delicado pode ser encerrado no duelo contra o Luverdense, que tem a expectativa de ser realizado no estádio Evandro Almeida, o Baenão. A afirmativa é do próprio elenco, que ponderou a necessidade de vencer em casa, para não sair do conjunto dos quatro primeiros colocados, algo que seria inédito desde o começo do Nacional.

“Contra o Luverdense a gente não pode negociar essa vitória. Eles estão na parte de baixo da tabela, mas jogam bem. Temos que se cuidar dentro e fora de campo para conquistar o mais rápido possível essa classificação”, pontuou o goleiro Vinícius, que mais uma vez fez a diferença na meta remista.

Faltam gols para a confiança volta

Empate com o líder foi visto como um resultado normal para o técnico Márcio Fernandes
Empate com o líder foi visto como um resultado normal para o técnico Márcio Fernandes Fernando Araújo
 


Contra o Juventude, no sábado, o Clube do Remo apresentou duas identidades em campo: no primeiro tempo a desorganizada e no segundo dominador, ao ter tomado conta do jogo nos 45 minutos finais. O problema azulino na virada do cronômetro foi justamente a falta de capricho no toque final, já que teve oportunidades para abrir o placar. O treinador Márcio Fernandes, também entendeu que o time falhou quanto à conclusão. 

“Está faltando, realmente, a gente arrematar melhor. Talvez isso seja a tranquilidade do jogador no momento, o espírito. No momento o jogador tá bem no jogo, tranquilo para fazer o gol, é disso que a gente está precisando. A hora que o gol sair, tenho certeza que as coisas mudam. E isso é normal, têm jogadores que enquanto o gol não sai fica um pouco difícil, não tem essa confiança, mas ainda dá para ir buscar”, avalizou Fernandes.

Ainda de acordo com o comandante, a falta de gols tem influência direta no comportamento dos jogadores em campo, já que a responsabilidade e pressão naturalmente aumentam com o passar dos minutos. Dessa maneira, Márcio Fernandes crê que as coisas irão mudar quando, enfim, as redes voltarem a balançar em prol do time. 

“Tivemos uma bola no primeiro tempo que fomos infelizes. O Eduardo chutou, pegou no jogador do Juventude, o goleiro já estava batido e a bola saiu para fora. Se tivesse feito gol ali, as coisas poderiam ter sido diferentes. Não é certo que seria, mas a gente estava precisando de um gol, até para ganhar a confiança”, disse.

SEM CHORO 

O técnico azulino ainda fez comentários a respeito do adversário difícil enfrentado do outro lado. Mesmo sem conseguir quebrar a sequência sem vitórias, o resultado final fez jus a um duelo entre times que estão brigando pela ponta. “Fizemos um grande jogo. Um primeiro tempo não tão bem, mas no segundo voltamos mandando no jogo contra uma equipe fortíssima. Subimos uma posição na classificação. A gente tem que, às vezes, saber que jogamos contra um time fortíssimo, que tem o maior investimento da Série C. Acho que não tem nada para se lamentar”, pontuou.


Meia Eduardo Ramos marcou sua volta ao Remo com um 0 a 0 frente ao líder Juventude
|
Empate com o líder foi visto como um resultado normal para o técnico Márcio Fernandes
|

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS