Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$
NA FRENTE DA TELINHA

De Ananindeua, JC Júnior é um dos 24 selecionados do reality “Talentos”

quarta-feira, 29/07/2020, 08:25 - Atualizado em 29/07/2020, 08:25 - Autor: Wal Sarges


"Eu tenho a determinação, o talento e acredito que tenho potencial para chegar à final da competição”, JC Júnior
"Eu tenho a determinação, o talento e acredito que tenho potencial para chegar à final da competição”, JC Júnior | Fabiola Tuma/Divulgação

Quando agosto chegar, os paraenses terão ótimos motivos para torcer diante da TV. JC Júnior, de Ananindeua, é um dos 24 selecionados do reality “Talentos”, que estreia em 8 de agosto, às 20h, na TV Cultura, e que pretende revelar artistas com habilidades para estrelar grandes musicais. No mesmo mês começa a sexta temporada do “Bake Off Brasil”, reality gastronômico que destaca o trabalho de confeiteiros e que terá Flávio Amoêdo Silveira, de Belém, entre os competidores.

Confeiteiro paraense já está confinado para o “Bake Off Brasil”

JC passou por uma disputa acirrada já para garantir a vaga no “Talentos”. Na primeira audição ele cantou “Corner Of the Sky”, do musical “Pippin”, e encantou os jurados. Na segunda audição, o paraense interpretou “Empty chairs at empty tables”, do musical “Os Miseráveis”.

Dentre quase mil inscritos, foram selecionados 98 candidatos, com faixa etária de 16 a 45 anos, entre amadores e atores iniciantes e veteranos, que participaram das audições realizadas pela TV Cultura. Os candidatos foram avaliados pelos jurados Miguel Briamonte (maestro), Sara Sarres (cantora e atriz), Diego Montez (ator) e o maestro Natan Bádue, também diretor musical do “Talentos”, além de Jarbas Homem de Mello, que comanda o reality.

“Eu tenho a determinação, o talento e acredito que tenho potencial para chegar à final da competição. Significa muito para mim estar entre os selecionados. A produção do programa nos disponibilizou as audições dos outros candidatos, que são talentosíssimos, e o fato de estar entre os 24 significa que eles enxergaram algum diferencial em mim. Estou muito contente com isso tudo”, comemora JC Júnior.

Radicado em São Paulo desde 2019, JC Júnior começou carreira como bailarino e depois migrou para o teatro musical
Radicado em São Paulo desde 2019, JC Júnior começou carreira como bailarino e depois migrou para o teatro musical Clayton Teles/Divulgação
 

Inspirado em Aline Serra, outra paraense que foi a grande vencedora da edição do programa no ano passado [quando ainda se chamava “Cultura- O Musical”], JC conta que está muito feliz. “Para mim, participar de um programa com a visibilidade que a TV proporciona é incrível. Já participei de outras audições aqui em São Paulo, mas nada igual a esse programa e o peso que ele tem”, conta. “É como efeito em cadeia: depois de ter visto que uma paraense ganhou a edição do ano passado, a gente se sente mais confiante no nosso potencial, isso nos inspira muito a também acreditar que a gente consegue. Assim também, estar entre os 24 candidatos desta temporada pode inspirar outras pessoas a correrem atrás de seus sonhos”, afirma JC.

O diretor geral do reality, Marcos Rombino, não dispensou elogios às participações paraenses nas duas edições. “É uma honra receber esses dois talentos em nosso programa. O JC foi escolhido pela performance dele, ele tem muito talento. No ano passado, a Aline Serra não só participou, como também foi a grande vencedora com apresentações que eram uma explosão, ela foi como um meteoro”, enaltece.

De Ananindeua para os musicais

Natural de Ananindeua, JC Júnior iniciou sua carreira como bailarino da Escola de Dança Ribalta, referência em dança nesse município da Região Metropolitana de Belém. “Eu sou bailarino, sempre gostei de dançar. Entrei na Ribalta aos 16 anos, dançando balé clássico, jazz e contemporâneo. Como bolsista, tinha como fazer várias modalidades”, conta sobre o início de tudo.

O teatro musical surgiu naturalmente, como uma forma de complementar sua arte coreográfica. “O trabalho musical é algo que eu sempre gostei de fazer, mas sem nenhuma pretensão profissional, até que recebi um feedback e passei a me dedicar a ele com maior determinação”, explica.

Até que em em 2017 JC integrou sua primeira montagem em musicais e seus horizontes foram se expandindo. “Foi uma montagem independente, adaptação de ‘Moulin Rouge’, que teve a direção de Erllon Viegas. Depois, em 2018, fiz parte do espetáculo ‘As Bruxas de Oz’, dirigido por Glenda Michelle”, recorda.

Em busca de papeis ainda maiores, no ano passado ele se mudou para São Paulo para estudar e trabalhar no ramo. “A ideia é estar onde estão os maiores nomes do teatro musical, é fazer contatos e estar, de fato, mais próximo de todos esses nomes dos musicais”, frisa.

VIRTUAL

Nesta edição 2020 o reality musical da Cultura não ganhou só um novo nome. Com a pandemia, o programa também foi reformulado, migrando parte do formato para o ambiente virtual. Com isso, as primeiras etapas ganharam aspectos mais caseiros. “Chegamos à conclusão de que, para manter a ideia viva, tínhamos que readequar todo o projeto. Dessa forma, a gente pediu que os candidatos enviassem vídeos feitos pelo próprio celular da mesma maneira como foi na primeira audição”, explica o diretor geral do reality, Marcos Rombino

“Com os vídeos em mãos, a gente remixou para dar um ganho e dar a chance de ver esse talento revelado. Os candidatos tiveram de usar o próprio celular, sem recursos de última geração ou tecnologia de edição de voz para que a competição fosse a mais equiparada possível. Quem desobedece a uma das regras está fora”, destaca o diretor, avisando que esse formato vai perdurar ainda por um tempo. “Quando chegarmos a outra etapa a intenção é gravar no estúdio, seguindo todas as regras e protocolos de segurança. A gente vai ter algumas surpresas para abrilhantar o programa, mas ainda não podemos adiantar os detalhes”, diz o diretor, em tom de surpresa.

Os 24 participantes irão se apresentar nas seis eliminatórias do programa que revelará o novo nome da cena do teatro musical brasileiro. Com roteiro de Mariana Elisabetsky e direção de Rombino, a nova atração da TV Cultura conta com 13 programas semanais, aos sábados. A grande final está prevista para o dia 31 de outubro.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS