Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$
LITERATURA E POESIA

Poeta e escritor paraense Isaac Fonseca lança terceiro livro em Igarapé-Miri

sexta-feira, 01/11/2019, 11:38 - Atualizado em 01/11/2019, 11:40 - Autor: Com informações da assessoria


| Divulgação

Nesta sexta-feira (01), o poeta e escritor paraense Isaac Fonseca, natural de Igarapé-Miri, no nordeste do estado, lança seu terceiro livro individual em evento que contará com apresentações de artistas locais (voz e violão), além de uma escola de música e grupo de dança.

“Pelas Minhas Veias”, título que reúne uma coletânea de poemas inéditos do autor, será apresentado ao público durante o espetáculo “Canto das Águas”, Rio de Todas as Vozes, promovido por organizações não governamentais do município com o objetivo de colocar diversas linguagens artísticas e literárias numa interação dinâmica de letramento cultural.     

O LIVRO

Destinado a um público preferencial com certa trajetória de leituras, “Pelas Minhas Veias”, publicado pela editora Paka-Tatu, marca os traços iniciais de uma cosmopoética das águas em cujo tecido o autor deixa-se conduzir pela oportunidade de refletir sobre questões e temas de naturezas ontológica, filosófica e sociológica.

Ao longo do texto um eu-lírico se revela como ser que viaja pelos caminhos de si e do outro, demonstrando-se um sujeito de transição entre memórias e utopias de quem muito se pode apreender em termos de sentidos e significados, ou de uma ressignificação, dos enigmas que caracterizam a experiência humana.

Segundo o autor, uma pista para leitura do texto pode ser a semelhança que existe entre a condição humana e a natureza do rio. Isaac Fonseca fala de uma “arquitetura dos sonhos” como uma construção de mundos criados e recriados por um “menino do rio”, principal título no conjunto da obra. Essa arquitetura toma forma na relação metafórica e dialética entre o esvaziar-se, o deserto, a esterilidade e a morte, de um lado, e o abastecer-se, o transbordar, a fertilidade e a vida, de outro, experiências ontológicas compartilhadas pelo homem e o rio.

Nas palavras do escritor, “um eu-criança se faz homem para as coisas, mas, permanece criança para os sonhos. Assim o rio se fez menino para brincar de utopia e igualmente homem para pilotar a existência. O rio pilota o homem, mas o homem tem o rio como a veia guarda o sangue”.

Ao estilo da poesia, Isaac explica: “se o rio se fez menino e, como tal, guarda a criança que está no homem, na mesma medida o homem se fez um menino do rio. Assim, o homem e o rio vestem-se como o marido e a mulher bebem, mutuamente, a saliva que ambos produziram”, finalizou. 

O AUTOR

Nascido no interior de Igarapé-Miri, em janeiro de 1981, Isaac Fonseca Araújo é graduado em Letras pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), mestre em Ciências Sociais e doutorando em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA).

Professor e pesquisador, membro da Academia Igarapemiriense de Letras (AIL), Isaac já publicou, além de artigos e capítulos de livros, Território de Ação Local: uma experiência amazônica de vida associativa (Editora CRV, 2018) e Alma Insubordinada (Paka-Tatu, 2018).

SERVIÇO

Lançamento do livro “Pelas Minhas Veias”, de Isaac Fonseca

Onde? Chalé do professor Gleybe (Tv. Coronel Vitório, centro de Igarapé-mirI)

Quando? Nesta sexta (1º), 19h

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS