Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Colunistas / Repórter Diário

REPÓRTER DIÁRIO

Sarney reabre velha polêmica entre Maranhão e Pará

terça-feira, 07/01/2020, 10:26 - Atualizado em 07/01/2020, 10:37 - Autor: Repórter Diário


| Agência Brasil

Artigo publicado no fim de semana pelo ex-presidente José Sarney no site “Os Divergentes” reabriu a velha polêmica entre Maranhão e Pará sobre o escoamento do minério de Carajás. A título de reminiscência, Sarney celebra vitória pessoal na verdadeira guerra entre os Estados. Como o Pará não tinha porto com calado necessário para escoar o minério de ferro, defendia o uso da via fluvial. “Foi aí que o Maranhão entrou na história oferecendo a solução ferroviária da construção da Estrada de Ferro de Carajás até Itaqui, porto que teria capacidade de receber graneleiros de até 400.000 toneladas, o que acontece hoje”, escreveu.

PORTO

O imortal da Academia Brasileira de Letras rememora reunião de bancadas com o então presidente Médici. Na ocasião, o deputado paraense Epílogo de Campos defendeu que o Pará tinha direito. “Direito tem, o que não tem é porto”, teria dito Médici. Em seguida, revela o pulo do gato: construiu Itaqui já de olho no escoamento da produção de Carajás. “Para isso lutei com todas as forças, tendo o apoio decisivo do ministro Andreazza, do presidente da Vale, Eliezer Batista e de Vicente Fialho”, detalha. “Foi uma guerra. Lutei e finalmente vencemos. O Maranhão conquistou Carajás”.

CÍRIO

No artigo Sarney conta ainda que veio a Belém logo após a decisão do governo falar na Associação Comercial, a fim de pacificar a situação. Conta que um de seus auxiliares ouvira conversa de dois empresários paraenses. “O Sarney, com essa conversa, se não abrirmos os olhos, termina levando o Círio de Belém para S. Luís”, teria dito um dos interlocutores. Por fim, declara apreço ao Pará, que, segundo ele, lucrou também com o empreendimento. Não mais que o Maranhão, que, sem Carajás, não teria as perspectivas que hoje tem – 3º porto do Brasil.

RECORDE

O Terminal Hidroviário de Belém (THB), administrado pela Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH), fechou 2019 com mais de 846 mil usuários atendidos, um aumento de 15% em relação a 2018. O número marca um recorde histórico de passageiros desde a inauguração do espaço, em 2014”Este aumento considerável de 15% foi recebido com muita satisfação pela CPH porque nós temos feito um trabalho intensivo para melhorar os serviços no Terminal Hidroviário. Ampliamos as linhas e isso refletiu em novos destinos e passageiros para o Marajó, Baixo Amazonas e Baixo Tocantins”, disse o presidente da CPH, Abraão Benassuly.

INTERNET

O Censo Agropecuário do Brasil revelou que Cametá, na região nordeste do Pará, é a cidade brasileira com o maior número de estabelecimentos rurais sem acesso à internet. Segundo o IBGE, em 2017, mais de 11 mil propriedades da zona rural do município declararam não ter conexão. Em outra cidade paraense, S. Félix do Xingu, que tem o maior rebanho bovino do país, o Censo Agropecuário revelou que 83% das propriedades rurais não têm internet, o que equivale a mais de 5, 3 mil estabelecimentos. O IBGE considera estabelecimentos rurais como locais onde ocorre produção agropecuária como atividade de renda.

DESAFIO

Ainda segundo o levantamento, das 10 principais cidades produtoras do país, apenas Sapezal e Nova Mutum, no Mato Grosso, têm mais propriedades com internet do que fazendas sem conexão. Em todo o país, mais de 70% das propriedades rurais não têm internet, tornando a falta de conexão um dos grandes desafios do agronegócio no país. No Brasil, dos 5,7 milhões de estabelecimentos rurais, 71,8% não têm acesso. Isso equivale a 3,64 milhões de propriedades. O setor agropecuário movimentou mais de R$ 1,43 trilhão em 2018, mais de 20% do PIB brasileiro.

MILITARES

Portar ou consumir entorpecente ou substância de efeito similar em local sob administração militar é crime e foi a ocorrência mais julgada pelo Superior Tribunal Militar em 2019. Os dados integram o boletim estatístico do STM que abarca 1.306 casos julgados entre janeiro e novembro de 2019. Os números de dezembro só devem ser consolidados agora em janeiro. Do número total, 318 casos foram relacionados a posse ou uso de drogas. O segundo crime mais julgado foi o de deserção, com 165 ocorrências.

LINHA DIRETA

Bira, ídolo do Remo nos anos 70, passou mal ontem, em Macapá, onde mora. A família providenciou sua transferência para Belém. Diagnosticado com hepatite, seu estado de saúde é considerado grave. Em 2018, ele foi festejado pela torcida do Remo antes do jogo contra o Internacional, pela Copa do Brasil.

O ex-atacante amapaense é considerado o maior artilheiro de uma única edição do Campeonato Paraense, ao marcar 32 gols em 1979. Um ano antes, fez os cinco gols da goleada remista sobre o Guarani de Campinas, que se tornaria o campeão brasileiro da temporada.

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), por meio da Coordenadoria de Promoção de Cidadania e Defesa dos Direitos Humanos, informa que a partir da próxima sexta-feira (10) os agendamentos para a emissão de documentos serão retomados.

Todas as sextas-feiras, a partir das 8h, serão realizados os agendamentos e ofertados, gratuitamente, serviços para a emissão de carteira de identidade, carteira de trabalho, segunda via de certidão de nascimento e casamento e retificações.

O Ministério da Saúde reservou R$ 250 milhões a mais para a ampliação do acesso de pacientes às cirurgias eletivas realizadas no SUS. O incentivo aos municípios é para zerar a fila de espera de cirurgias de média complexidade e diminuir o tempo de espera nos procedimentos agendados.

O prefeito de Soure, Guto Gouvêa, assinou ontem termo de cooperação técnica com a Secretaria de Estado de Turismo, representada pelo Secretário André Dias, para executar a sinalização turística de Soure, com recursos captados junto ao Ministério do Turismo.

Com a sinalização, os turistas terão todas as orientações e identificações de produtos turísticos de Soure por meio de placas. É uma reivindicação antiga, tanto de visitantes como de comerciantes da cidade, para orientar sobre os percursos de acesso e de distâncias a cada local pretendido.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS