Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Colunistas / Gerson Nogueira

Gerson Nogueira

Leia a coluna do Gerson Nogueira desta segunda-feira (06)

segunda-feira, 06/05/2019, 08:53 - Atualizado em 06/05/2019, 08:53 - Autor:


Bom resultado em jogo de risco


Bom resultado em jogo contra o Juventude, em Caxias-RS, o Remo conquistou no sábado o quarto ponto na Série C, posicionando-se na parte de cima da classificação do grupo B e encaminhando seu melhor começo de jornada na competição. Márcio Fernandes optou pelo jogo pragmático que os times visitantes fazem em todas as divisões  do futebol brasileiro.


Fechado, com as duas óbvias linhas de marcação e um atacante (Gustavo) que voltava sempre para recompor, o Remo suportou bem a pressão inicial do Juventude. O centroavante Dalberto assustou com um chute rasteiro logo aos 4 minutos.


No primeiro ataque bem trabalhado, o Remo ganhou um escanteio pela direita do ataque. Douglas cruzou no segundo pau, onde o zagueiro Fredson acertou um cabeceio no canto direito da trave do Juventude, aos 17’.


O gol fez o Remo redobrar os cuidados defensivos. O time só ultrapassava a linha de meio-campo quando surgia um contra-ataque. Como se mantinha preso ao próprio campo, acabava atraindo ataques seguidos do Juventude.


Aos 28’, Brian Rodriguez quase empatou, cabeceando à direita de Vinícius. Minutos depois, a casa caiu. Dalberto avançou pela esquerda, driblou Jansen e lançou John Lennon, que tocou rasteiro na saída de Vinícius.


Só então o Remo se dispôs a buscar o ataque, passando a criar um outro bom momento. Emerson Carioca e Carlos Alberto desperdiçaram duas oportunidades com a zaga gaúcha inteiramente aberta.


Depois do intervalo, a cautela voltou a ser a estratégia azulina. O Juventude se lançava à frente com até seis atacantes, mas demonstrava limitações técnicas para furar o bloqueio defensivo armado por Márcio Fernandes.


Rafael Bastos, Dalberto e Brian Rodriguez se movimentavam muito, mas a jogada preferida era o cruzamento alto. Bem posicionados, Marcão e Fredson ganhavam todas as jogadas aéreas. Quando a bola passava, Vinícius estava lá, firme, para defender.


Aos 16’, Emerson teve nos pés a chance do desempate. Entrou na área, fintou o marcador, mas se atrapalhou na hora de definir.


Vinícius impediu o gol do Juventude aos 25’, espalmando chute disparado por Dalberto da marca do pênalti. Na reta final, já com Alex Sandro em campo, o Remo chegou duas vezes com perigo. Gustavo acertou uma meia bicicleta que quase surpreendeu Marcelo Carné e depois Carlos Alberto cruzou rasteiro, mas Alex Sandro chegou alguns segundos atrasado.


O resultado foi muito bom para o Remo, por ter arrancado ponto precioso nos domínios de um time cotado como candidato ao acesso. O jogo, porém, poderia ter sido menos sofrido, caso o meio-campo funcionasse com mais rapidez e invertendo posicionamentos.


Carlos Alberto apareceu na faixa central, mas não tinha aproximação com Douglas e errou todos os arremates a gol. Mais rápido que Emerson Carioca, Alex Sandro entrou muito tarde, depois até que Mário Sérgio foi lançado. No geral, uma atuação correta, mas a equipe voltou a sentir a falta de um homem criativo no meio e um centroavante de verdade.


Pantera arranca triunfo dramático na Série D


Depois de um primeiro tempo inteiramente favorável, quando impôs sobre o Ypiranga o placar de 3 a 1 (gols de Marcelo Maciel, Sandro e Wendel), o São Raimundo passou por um grande susto na etapa final. Sofreu o segundo gol logo aos 10 minutos e deixou que os amapaenses equilibrassem o jogo. Quase ao final, Yan empatou, mas Marcelo Maciel fez o quarto gol santareno aos 42’, garantindo a importante vitória.


Em Teresina, o Bragantino perdeu para o River por 1 a 0, sofrendo o gol aos 25’ do primeiro tempo. O time paraense teve oportunidades para empatar, mas falhou nas finalizações.


Condé projeta mudanças para tornar Papão mais agudo


A possível novidade do PSC para enfrentar o Tombense, hoje, na Curuzu, é a mudança de nomes e postura no ataque. Nos melhores treinos da equipe durante a semana, Nicolas surgiu no ataque, ao lado de Pimentinha e Vinícius Leite, tornando a linha ofensiva mais leve e rápida.


Caso o trio seja confirmado, fica claro que Léo Condé cansou da utilização infrutífera de centroavantes. O fato é que Paulo Rangel e Paulo Henrique decepcionaram nas partidas recentes, falhando muito nas finalizações.


Sem um jogador de referência na área, o PSC passa a apostar nas triangulações pelo meio e nos avanços dos extremas. Pimentinha, que é velho conhecido do técnico, deve ser o atacante mais avançado, enquanto Vinícius se mantém na aproximação pelos lados.


Nicolas, cuja versatilidade permite até a participação no jogo aéreo, funciona mais quando atua na entrada da área, partindo em diagonal da esquerda para o meio. A ideia de usá-lo como avançado é interessante, principalmente porque cria dificuldades de marcação para a zaga inimiga.


Na meia-cancha, não está confirmada a estreia de Tiago Luís, mas Diego Rosa é nome quase certo para compor o trio de meio, ao lado de Johnny Douglas e Marcos Antonio (ou Tiago Primão).


O retrospecto do adversário na temporada expressa tendência de força defensiva. O Tombense disputou 16 partidas, empatando sete, vencendo cinco e perdendo quatro. Previsão de retranca na Curuzu.


 


 


 

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS