Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Colunistas / Gerson Nogueira

GERSON NOGUEIRA

VAR e amistoso bicolor são temas de coluna do Gerson Nogueira

segunda-feira, 04/11/2019, 10:25 - Atualizado em 04/11/2019, 10:25 - Autor: Gerson Nogueira


| Irene Almeida

Papão reabre os trabalhos

O tempo é neste momento o maior obstáculo ao PSC para adquirir o ritmo de competição necessário para encarar o Cuiabá pela final da Copa Verde 2019. Os 10 dias de folga concedidos ao elenco um dia depois das semifinais contra o Remo terão que ser recuperados com muito treino e, se possível, jogos contra equipes profissionais.

Ontem pela manhã, na Curuzu, diante da Tuna, o técnico Hélio dos Anjos teve a oportunidade de fazer observações valiosas. Fez experiências e viu a equipe se impor, sem grandes embaraços. O primeiro gol saiu aos 15 minuto: Elielton aproveitou cruzamento baixo de Bruno Collaço.  

O Papão era melhor e dominava as ações. E foi também do lateral esquerdo o cruzamento para o segundo gol da partida. Desta vez, o meia-armador Tiago Luís apareceu para estufar as redes tunantes. Além de marcar o reaparecimento do camisa 10 entre os titulares, o gol foi o primeiro desde que Tiago voltou ao clube.

Como a prioridade era observar os jogadores, Hélio fez mudança quase completa para a segunda etapa, colocando em ação dez jogadores, a maioria oriunda da base alviceleste. Além de Tiago, outro que voltou a se movimentar foi Leandro Lima, que saiu do time por contusão.

A Tuna não é propriamente um adversário que ofereça grande resistência, mas ao Papão o que interessa é movimentar os jogadores, a fim de que cheguem ao primeiro confronto da decisão (dia 14) em pé de igualdade com o Cuiabá. Nesse sentido, o teste foi inteiramente válido.

Afinal, o que houve com o S. Raimundo?

 Dez anos se passaram da maior conquista da história do São Raimundo, de Santarém. Conquistou em 2009 a Série D do Campeonato Brasileiro, que foi lançado naquele ano. Com um time bem regional, o Pantera superou adversidades e limitações, encarou oponentes de qualidade e bateu o Macaé na decisão.

 Desde então, o time teve poucos motivos para comemorar, frustrando seguidamente sua apaixonada torcida nos compromissos pelo Campeonato Paraense e na Copa do Brasil. Hoje, nem na Segundinha de acesso ao Parazão o timee conseguiu entrar.

 Torcedores ficam a se perguntar o que tirou o São Raimundo dos trilhos. A combinação nefasta de administrações ruins e contratações desastrosas é a hipótese mais provável para a débâcle santarena.

 Sair do fundo do poço é um desafio que os desportistas que amam o Pantera precisam abraçar com seriedade e urgência.

 Em tempos de VAR, cartolagem alopra nas queixas

  Os dirigentes de futebol no Brasil perdem oportunidades preciosas de manter silêncio. Ontem, o presidente do Ceará avisou que vai protocolar ofício na CBF vetando árbitros cariocas e mineiros nos jogos do time. A medida é uma reação à arbitragem da partida com o Palmeiras, no sábado, quando o alvinegro cearense reclama da anulação de um gol de Felipe Baixola, aos 41 minutos do 2º tempo. Tem razão quanto ao lance. O atacante tinha condição, mas o VAR apontou impedimento milimétrico.

 A revolta é normal e aceitável, mas não permite bobagens desse tipo. A CBF pode até atender o pleito do Ceará, mas se esse tipo de pressão funcionar o campeonato ficará praticamente inviabilizado. O Ceará tem 33 pontos e na briga contra o rebaixamento tem como concorrentes diretos Cruzeiro, Atlético-MG, Fluminense e Botafogo.

 Não é possível que questões geográficas possam se tornar motivo de impedimento ou restrição na escala de árbitros. Além dos times cariocas e mineiros, o Ceará luta também com CSA, Fortaleza e Avaí. Nesse caso, logo será necessário vetar também árbitros alagoanos, cearenses e catarinenses.

 Em plena era do VAR, todos os times têm razões de sobra para sair reclamando de injustiça e prejuízos provocados pelas arbitragens. Ocorre que, sair carimbando todos os juízes como inidôneos, é algo injusto e que beira o absurdo.

A velha 'miguelada' como arma para fugir ao vexame

Fiquei observando o jogo do Flamengo com o Corinthians e, além do baile do primeiro tempo, os alvinegros de São Paulo ainda sofreram baixas inesperadas, típicas de momentos. Nem bem o Fla meteu o terceiro, o goleiro Cássio começou a reclamar de dores no quadril. Estranho.

Dez minutos depois do quarto gol, Fagner sente um mal-estar e também pede substituição. Mais estranho ainda. São líderes de elenco, símbolos da raça corintiana, coisa e lousa etc. Como é que, de uma hora para outra, sem motivo nenhum, ambos pulam fora do barco¿

Quem já jogou uma simples pelada sabe o que significa aplicar uma boa miguelada. Cássio e Fagner mostraram naquele momento, de maneira inequívoca, que receavam uma surra histórica, que só não se confirmou porque Vitinho tem péssima pontaria e Bruno Henrique cansou. 

 Atitude que profissionais não podem ter. Deixar o time e o técnico na mão em jogo tão importante é algo sempre reprovável. Não há confirmação plena de que os jogadores simularam contusão, mas a maneira como pediram substituição levanta muitas dúvidas.

 Fábio Carille caiu em consequência da goleada e também pelo conjunto da obra, mas é espantoso como o futebol dito moderno ainda comporta atitudes como as de Cássio e Fagner.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS