Notícias / Tecnologia

EDIÇÃO ELETRÔNICA

44% acessam o Facebook, mas não postam nada

Quarta-Feira, 14/10/2015, 18:37:39 - Atualizado em 14/10/2015, 18:41:30 Ver comentário(s) A- A+

44% acessam o Facebook, mas não postam nada (Foto: Divulgação)
Pesquisa aponta que 44% acessam o Facebook, mas não postam nada. (Foto: Divulgação)

Uma pesquisa da GlobalWebIndex, empresa que compila métricas do mundo digital, constatou que curtir publicações é a principal ação dos usuários no Facebook. De acordo com um levantamento divulgado nesta quarta-feira (14), 70% dos membros da rede clicam no botão Curtir todos os meses.

A pesquisa também descobriu que o número de usuários que acessa a rede, mas não publica nada nem comenta em postagens dos amigos tem aumentado. Segundo o último levantamento da GlobalWebIndex, essa é uma prática de 44% das pessoas, um número maior que quem posta foto na rede social.

Segundo a empresa, esses dois dados foram os principais motivos que levaram o Facebook a ampliar o número de botões para o usuário interagir com um post. Além do Curtir, será possível, amar, rir, ficar contente, surpreender-se, chorar e ficar bravo.

Para a GlobalWebIndex, a ideia do Facebook é atrair esses usuários passivos com uma forma rápida e fácil de interação.Uma pesquisa da CNN, divulgada na última quarta-feira (7), constatou que o principal motivo para adolescentes de 13 anos checar às redes sem postar é se sentirem entediados. Foi assim que 80% dos entrevistados responderam.

MAIS VÍDEOS

O Facebook também começou a testar novas funções de vídeos para usuários com o aplicativo em aparelhos iPhone.

Nelas, será possível acessar uma "timeline" destinada apenas aos filmes dos amigos e de páginas que a pessoa segue em um botão localizado na parte debaixo, onde antes ficava o Messenger.

Também será possível ter um feed novo para vídeos, em que bastará subir a tela para ver o próximo filme. Segundo o site The Verge, a empresa está satisfeita com a resposta dos usuários até agora, e os testes nos sistemas Android devem começar nos próximos meses.

Haverá, ainda, uma opção de reduzir o tamanho do vídeo e deixá-lo reproduzindo no canto da tela, da mesma forma que o app do YouTube, e salvar um vídeo para assistir mais tarde.

(Folhapress)

Leia também:

Comentários