Notícias / Polícia

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Acusado de matar enteada demonstrou "frieza"

Segunda-Feira, 19/06/2017, 16:12:27 - Atualizado em 19/06/2017, 16:17:24 Ver comentário(s) A- A+

Acusado de matar enteada demonstrou
(Foto: Divulgação Polícia Civil)

“Foi muita frieza”. Assim foi classificada a confissão de Carlos Sandro de Oliveira, de 26 anos,  preso e autuado em flagrante por matar a enteada de apenas 2 anos com socos. A confissão foi realizada em frente ao delegado Willians Batista, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). As informações são do site Extra.

Segundo o delegado, Carlos Sandro contou detalhes sobre o momento do crime. A menina Katielen Camila de Oliveira Santana, de apenas 2 anos. tinho ido dormir com Carlos enquanto a mãe dela havia saído.

A criança começou a chorar e ele a colocou na cama, segundo o depoimento. No entanto, a menina continuou a chorar. “Aí ela ficou chorando e eu peguei e dei um soco nela para ela parar de chorar. Dei três socos nela. Estava descontrolado", disse o acusado.

Ao ser perguntado se ele estava arrependido, ele teria dito: “Muito”. No entanto, o delegado não acredita no arrependimento, já que “em momento algum chorou durante o depoimento”. “Na verdade, foi muita frieza da parte dele”, declarou o delegado.

HOMICÍDIO CRUEL

O crime ocorreu em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na casa da família. A mãe de Katielen havia saído e, quando chegou, o marido disse que a menina estava dormindo. Segundo depoimento da mãe, ela não desconfiou da agressão.

“Durante a noite, ela acordou e viu Carlos perto da menina. Perguntou o que ele estava fazendo e a resposta foi que estava ‘dando um cheirinho’ na criança. A gente não tem como saber se naquele momento ela já estava morta”, relatou o delegado Willians Batista.

Katielen teve fratura na costela e laceração no pulmão. A causa da morte, de acordo com o delegado, foi hemorragia interna.

O padrasto foi autuado por homicídio triplamente qualificado: motivo torpe, impossibilidade de defesa da vítima e meio cruel. Se condenado, ele pode pegar uma pena de 30 anos.

(Com informações do Extra)

 





Comentários