Notícias / Polícia

EDIÇÃO ELETRÔNICA

MST lamenta morte de militante dentro de hospital

Segunda-Feira, 20/03/2017, 17:35:03 - Atualizado em 20/03/2017, 19:25:27 Ver comentário(s) A- A+

MST lamenta morte de militante dentro de hospital (Foto: reprodução/Facebook)
Waldomiro era militante do MST, mas estava afastado das atividades para cuidar do seu lote de terra. (Foto: reprodução/Facebook)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) emitiu uma nota comentando o homicídio do militante Waldomiro Costa Pereira, executado a tiros dentro do Hospital Geral de Parauapebas (HGP), no sudeste paraense, onde estava internado, nesta segunda-feira (20).

Waldomiro havia sofrido uma tentativa de homicídio no sábado (18), em um terreno de sua propriedade, por duas pessoas que fugiram sem serem identificadas. Ele foi encaminhado para o HGP, onde ficou internado até a madrugada de hoje, quando o local foi invadido pelos executores.

Em uma nota oficial, o MST afirmou que Waldomiro era militante do movimento desde 1996 e que foi um dos envolvidos na ocupação e criação do assentamento 17 de Abril, onde morou desde então.

O movimento ainda afirmou que atualmente ele "não estava participando das instâncias de direção do Movimento Sem Terra, se dedicando ao lote onde vivia" e que também havia assumido um cargo na prefeitura de Parauapebas.

A nota afirma ainda que não o MST "desconhece os motivos do crime", mas que "este é mais um assassinato de trabalhadores no Estado do Pará, em que o governo é culpado pela sua incompetência em cuidar da segurança da população e praticado em função da negligência do Estado em apurar e punir os crimes desta natureza."

O MST encerra a nota afirmando esperar "que as autoridades tomem as providências necessárias para julgar tamanha brutalidade cometida por um estado de violência que representa a banalização da vida em nossa sociedade."

Policiais civis do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI) de Marabá, das seccionais de Marabá e de Parauapebas, e da Divisão de Homicídios, de Belém, atuarão nas investigações, em conjunto com a Delegacia de Eldorado dos Carajás.

(DOL)



Comentários