Notícias / Polícia

EDIÇÃO ELETRÔNICA

32 pessoas são executadas após morte de PM

Segunda-Feira, 23/01/2017, 07:10:15 - Atualizado em 23/01/2017, 11:35:04 Ver comentário(s) A- A+

32 pessoas são executadas após morte de PM (Foto: Celso Rodrigues)
Depois do assassinato do PM Rafael Costa, 29 anos, a Grande Belém foi palco de uma verdadeira chacina. (Foto: Celso Rodrigues)

Os números são assustadores. Desde o assassinato do soldado Rafael da Silva Costa, 29 anos, da Polícia Militar (PM), morto com um tiro na cabeça, na manhã da última sexta-feira (20), até a noite de ontem, a Grande Belém registrou 32 mortes com características de execução sumária. O episódio é similar ao ocorrido em novembro de 2014, quando 11 pessoas foram mortas na capital, após o assassinato do cabo Pet.

As mortes deste fim de semana começaram após o assassinato do soldado Rafael, morto no bairro da Cabanagem, em Belém. As 32 execuções contabilizadas pela reportagem do DIÁRIO, por meio de documentos da polícia, ocorreram em Belém, Ananindeua e Marituba. 

Além dos mortos, existem várias pessoas feridas com arma de fogo no Hospital Metropolitano, em Ananindeua, e Prontos-Socorros do Guamá e 14 de Março, em Belém, todas alvejadas após a morte do PM. 

DOR E MEDO

As mais recentes vítimas da violência sem limite que assola a Região Metropolitana de Belém têm nome, documento, famílias e endereços. Nesta edição, o DIÁRIO apresenta uma série de reportagens especiais abordando um dos assuntos que mais preocupam a população paraense: a insegurança. A dor das famílias, o medo dos cidadãos e a crítica de políticos e representantes dos Direitos Humanos também fazem parte do conteúdo.

Mortes em série superam três vezes a chacina de 2014

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), Carlos Bordalo (PT), destaca que as mortes brutais do fim de semana superam as do episódio ocorrido entre a noite do dia 4 e madrugada de 5 de novembro de 2014. A “Chacina de Belém”, como ficou conhecida, ocorreu após o assassinato do cabo Pet e deixou 11 mortos em 5 bairros da capital. 

“Nesse período, só vimos crescer as ações de grupos de extermínio e o Governo teimosamente se recusava a admitir”, pontua. Lélio Costa, deputado estadual pelo 
PCdoB, confirma que, durante a semana, a bancada de oposição a Jatene, na Alepa, que está em recesso, deve se reunir para discutir um posicionamento.

Ele entende o cenário como a representação de uma gestão irresponsável com a Segurança Pública. “Não existe média. Qualquer estatística de homicídio é inadmissível”, analisa. 

SEM RESPEITO

Já o deputado estadual Iran Lima, líder do PMDB, entende que a corporação policial perdeu o respeito pelo governador Simão Jatene (PSDB). “Esse deveria ser o momento de tomar a frente, mas ele não consegue. Perdeu o respeito, porque não se faz respeitar”, avalia. “Não cumpre acordos de remuneração, incentivo. Não cumpre nem os acordos feitos com o Ministério Público Militar”, lembra. “E a insegurança atinge a sociedade inteira”, observa.BANCADA FEDERAL

 O deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) afirma estar à disposição do Governo e das entidades defensoras dos Direitos Humanos, para colaborar em qualquer ação que se proponha a dar uma resposta ao aumento da criminalidade na Grande Belém.

“O problema é que quem está no comando vê isso como algo banal. Faz uma fala triste como a que fez”, referindo-se à declaração feita no sábado (21), pelo secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, Jeannot Jansen. 

“O Governo do Estado não tolera situações como as ocorridas nesta sexta-feira (20), em que a Região Metropolitana de Belém registrou uma série de homicídios, cujas ocorrências estão muito além da média”, disse o secretário. Para o deputado Edmilson, é inaceitável que grupos de extermínios formados por agentes públicos ajam à revelia da lei. “São jovens, na maioria. É o futuro do Estado que fica comprometido”, analisa.

(JR Avelar, Pryscila Soares e Carolina Menezes/Diário do Pará)



Conteúdo Relacionado:



Comentários