Notícias / Pará

TAPA BURACO

AGE flagra construtora Leal Júnior em obra ilegal do projeto Asfalto na Cidade

Sábado, 13/04/2019, 12:42:38 - Atualizado em 13/04/2019, 17:51:40 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

AGE flagra construtora Leal Júnior em obra ilegal do projeto Asfalto na Cidade (Foto: Via WhatsApp)
Somente em 2018, o programa consumiu mais de R$ 360 milhões do tesouro estadual. (Foto: Via WhatsApp)

A Auditoria Geral do Estado do Pará (AGE) deflagrou na última terça-feira (9) a operação "Tapa Buraco", com o intuito de fiscalizar as obras irregulares realizadas pela empesa Leal Júnior, no município de Itupiranga, sudeste paraense.

De acordo com a AGE, as obras do programa "Asfalto na Cidade" foram suspensas desde janeiro deste ano, após a suspeita de que parte dos recursos solicitados para o asfaltamento do município tenha sido desviado. Somente em 2018, o programa consumiu mais de R$ 360 milhões do tesouro estadual. 

As investigações iniciaram após relatos de que prefeitos da região sudeste do estado teriam recebido promessas de melhorias asfálticas da ex-Secretaria de Municípios Sustentáveis e do candidato derrotado na disputa ao governo do estado, Márcio Miranda.

Governador Helder Barbalho solicitou à AGE a investigação do programa "Asfalto na Cidade", que custou R$360 milhões aos cofres públicos. Imagem: Divulgação

 

A partir das denúncias, o governador Helder Barbalho solicitou que equipes da AGE iniciassem as investigações e suspendessem as obras e pagamentos. A empresa Leal Júnior descumpriu a suspensão e retomou as obras durante a última semana. Além da suspeita de desvio de verbas, a qualidade das obras também está entre os pontos analisados pela operação.

As visitas técnicas estão sendo coordenadas pelo engenheiro e auditor da AGE, Filipe Gianino, que entrevistou o prefeito de Itupiranga, José Milesi, com o intuito de investigar o possível beneficiamento da Leal Júnior nas obras irregulares

Assista:

O Ministério Público do Pará será acionado após isto, segundo a AGE, o próximo passo da investigação deve ser uma representação penal pela Delegacia Geral do Estado. 

Veja os documentos:

 

 

Outros municípios do sudeste paraense também estão sendo investigados.

(DOL)



Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL