Notícias / Brasil

SEM CENSURA

Ministro do STF derruba ideia de deputada de incentivar a filmagem de professores

Sábado, 09/02/2019, 11:51:19 - Atualizado em 09/02/2019, 13:24:34 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Ministro do STF derruba ideia de deputada de incentivar a filmagem de professores (Foto: Reprodução)
Ana Campagnolo, do mesmo partido presidente Jair Bolsonaro, é favorável ao projeto de Escola sem Partido. (Foto: Reprodução)

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a decisão judicial que autorizada a deputada estadual eleita Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC), a manter nas redes sociais, mensagens que estimulava alunos a filmar e denunciar professores.

 

 

Desta forma, passa a valer a decisão judicial anterior que proibia a deputada de estimular estudantes fazer registros de professores que supostamente estivessem doutrinando alunos.

 

 

No texto publicado em suas redes sociais, a deputada pedia que alunos fizessem “queixas polítco-partidárias em virtude da vitória do presidente [Jair] Bolsonaro”.

 

 

Segundo Fachin, “ao conclamar os alunos a exercerem verdadeiro controle sobre manifestações de opinião de professores, a deputada transmite a ideia de que isso é lícito”, além de estimular “a se sentirem legitimados a controlarem e a denunciarem manifestações político-partidárias ou ideológicas contrárias às suas”.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

Uma publicação compartilhada por Ana Caroline Campagnolo (@anacampagnolo) em

 

A deputada do mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro é favorável ao projeto de Escola sem Partido.

 

 

O Ministério Público Federal entende que “o projeto é inconstitucional por impedir o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, nega a liberdade de cátedra e contraria a laicidade do Estado (por permitir no espaço público da escola visões morais e religiosas particulares)”.

 

 

(Com informações do portal Diário do Nordeste)



Conteúdo Relacionado:





Comentários

Destaques no DOL