Esporte / Pará

FIDELIDADE

Diretoria do Remo relança o programa de sócio torcedor com muitas surpresas

Terça-Feira, 04/12/2018, 08:12:36 - Atualizado em 04/12/2018, 08:38:35 Ver comentário(s)

EDIÇÃO ELETRÔNICA

Diretoria do Remo relança o programa de sócio torcedor com muitas surpresas (Foto: Wagner Santana)
Direção azulina quer atrair a torcida com vantagens também fora de campo (Foto: Wagner Santana)

Em evento marcado para às 19 horas de hoje, o Clube do Remo relança o Projeto Nação Azul, que visa fidelizar os azulinos como sócio torcedores. “Vamos relançar o programa, já que ele ficou totalmente a margem na última gestão”, afirmou Rodrigo Salim, novo diretor do projeto. Dois entraves têm que ser superados e estão na pauta da diretoria: a incerteza quanto à utilização do estádio do Baenão e a temporada na Série C do campeonato Brasileiro.

O Evandro Almeida passa por reformas que vêm se arrastando há anos, desde que as cadeiras VIPs e parte das arquibancadas foram postas abaixo há cinco anos. A atual diretoria foi eleita com a promessa de que o Baenão possa receber jogos oficiais até o fim do Parazão ou pelo menos para a Terceira Divisão. Ontem, o Corpo de Bombeiros fez uma visita técnica ao estádio.

Quanto ao Campeonato Brasileiro. Se for até o final da Terceirona, o Remo terá jogos oficiais até setembro. Esse ano, saindo na primeira fase, lutando até o fim contra o rebaixamento, o time entrou em campo pela última vez no dia 11 de agosto.

De acordo com Salim, mesmo apostando em ter o Baenão apto para o ano que vem e crendo numa boa campanha, o NA tentará atrair o sócio torcedor a despeito do futebol. “Estamos com uma nova roupagem. Teremos descontos especiais para quem fizer o pagamento anual, teremos um desconto para os participantes que tiverem débitos e quiserem voltar. Vamos fechar com uma rede de parceiros onde os torcedores terão descontos. Queremos mudar o conceito do sócio torcedor. Um dos benefícios é a entrada gratuita no estádio, mas podemos ter muitos outros que podem ser utilizados no dia a dia em benefício próprio. Essa é a maior sacada”, disse. 

“Ser sócio torcedor tem que ser algo natural para o torcedor, onde ele possa viver isso constantemente, seja no restaurante, na academia, numa loja de roupas, essas coisas”, completou Salim. 

Aqui você vai encontrar materiais esportivos de todas as marcas. Camisas de grandes clubes nacionais e internacionais. Acesse e confira!

PLANEJAMENTO 

Inicialmente serão lançados cinco mil sócios torcedores e, ao chegar a essa quantidade, haverá uma reavaliação. Para o diretor, é importante manter um espaço também para o torcedor que não aderir ao programa. “Haverá esse limite de sócios torcedores pensando no Baenão. Quando isso acontecer, deve ser para 14, 16 mil pessoas e temos que pensar no sócio comum”.

Lançamento pode ter surpresas 

Existe a possibilidade de durante o lançamento do novo Nação Azul a diretoria de futebol do Remo anunciar mais um reforço para a temporada 2019. “Pode ser que sim, pode ser que não. Se tiver, será uma atração a mais. Tomara que consigamos esse reforço para amanhã (hoje)”, comentou Rodrigo Salim.

Até aqui, além de garantirem as permanências de Vinícius, Mimica e Dedeco, o Remo já anunciou como contratados Thiago, Ronaell, Geovane, Róbson e Sodré. “Essa quantidade de contratados deve aumentar, mas é um processo complexo e lento. O importante é que quem venha aceite a filosofia de trabalho do Remo”, observou o executivo de futebol, Luciano Mancha.

O jogador que estava pronto para ser anunciado, ao que tudo indica, era o centroavante Tito, de 29 anos e que defendeu o Confiança-SE na Série C desse ano. Após a competição nacional, ele foi emprestado ao Grêmio Novorizontino-SP para a disputa da Copa Paulista. O atleta tenta se livrar do Confiança desde o começo do ano, mas a Justiça do Trabalho determinou que ele cumprisse o contrato, que vai até julho de 2019, até o fim.

Mancha confirmou que havia uma negociação bem avançada e que deu para trás, mas não citou nomes. “Tínhamos um acerto com um atleta, já estávamos vendo apartamento aqui até. Mas, ele ainda tem seis meses de contrato para cumprir. Ele pediu desculpas por não poder mais vir. Nós estamos correndo atrás de outro”.

(Tylon Maués/Diário do Pará)





Comentários

Destaques no DOL